19 de julho de 2018

Nova série viciante...



Hostages ou como aparece em Português Reféns (Israel)...

Vou na segunda temporada e a cada episódio isto promete...

Depois quando acabar dou a minha opinião, mas que esta a ser viciante, lá isso esta.

18 de julho de 2018

"O mundo de Sofia" de Jostein Gaarder...


"O Mundo de Sofia é um desses inexplicáveis sucessos que têm gerado uma contagiante adesão por parte dos leitores, entre os quais se contam muitos jovens. Mas não só. Tornou-se de imediato um bestseller em muitos países: está traduzido em mais de cinquenta línguas. Esta intrigante aventura filosófica, que põe em cena um professor de filosofia e uma jovem de catorze anos, percorre a história do pensamento ocidental, sem excluir alguns dos seus mitos e lendas e fazendo breves incursões pelas filosofias orientais. O tema central está estreitamente ligado à construção do universo romanesco que se duplica misteriosamente pela intervenção de outros dois personagens, apresentando-se ele próprio como um enigma. As misteriosas interrogações dirigidas a Sofia: «Quem és tu?» e «De onde vem o mundo?» são aqui emblemáticas da atitude de espanto de alguém, como Gaarder, para quem a existência é um coelho branco que o ilusionista tira ludicamente da cartola."


Finalmente acabei o livro.
Demorou mas acabei, não me deixei vencer pela vontade de desistir.
Sou teimosa e por muito que me custe vou até ao fim, foi o que aconteceu.
A verdade é que também aprendi mais sobre filosofia com este livro do que na escola.
Fiquei com o neurónio em alguns momentos atrofiado, tão atrofiado que cheguei a sonhar com passagens que ia lendo no livro.
Na verdade esperava algo mais leve e mais entusiasmante, mas pronto não foi assim um livro que adorei, mas gostei.
É interessante, se calhar já o deveria ter lido à muitos anos trás, se calhar tinha dado jeito em algumas situações que já vivi.
Não deixa de ser um bom livro, apesar de cansativo.

17 de julho de 2018

O fim de semana foi assim...

A sexta-feira foi diferente do habitual.
Sai logo de manha com um casal amigo, fomos à sexta-feira 13 a Montalegre.
Desta vez fomos de manha e andamos lá até meio da tarde mas ficou combinado para uma próxima sexta 13 irmos ao final da tarde para apreciar a noite, que parece que é bem interessante.
Apesar de ficar um bocadinho longe a viagem faz-se bem, aquilo é divertido porque toda a gente adere a essa coisa da sexta 13 e decoram tudo como manda o tema.
O pessoal daqueles lados é simpático e afável e almoçamos muito bem.
Apesar de eu não estar com a "bateria" carregada porque na noite anterior tinha ido ao tratamento até passei melhor do que imaginei.
Depois viemos por Chaves e antes de chegar a casa paramos para jantar.
O Sábado foi um dia normal, enfeitar, limpar a casa, essas coisas todas, a única novidade que tive foi mesmo o bombeiro novo que me veio buscar para ir para o tratamento, muito simpático e bonitinho também... as verdades são para serem ditas.
No domingo, fui com os meus pais dar uma volta até à praia, depois fomos almoçar a um restaurante que gostamos muito e depois vim para casa e dei-me ao luxo de não fazer nada.
Os meus pais foram a casa da minha tia e eu fiquei apenas no sofá, a ver séries, um filme e alguma terapia da cor.
Um domingo mais do que perfeito, pode repetir as vezes que quiser.

12 de julho de 2018

É daquelas coisas que eu não gosto nada...

Que pessoas que não me são nada ainda por cima que não conheço de lado nenhum achem que podem dizer/escrever e dar opiniões sobre tudo o que querem sem ninguém as ter pedido, principalmente quando é algo meu.
Vou dar um exemplo entre terça-feira e hoje recebi convite de amizade no face até dizer chega.
Evidentemente que eu só aceito quem quero e quem bem me apetecer, mas daí a depois ainda mandarem mensagem com opinião, sobre o que eu estou a perder por não ser sua amiga... a sério? Mesmo?... isso para mim já é um bocadinho exagerado.
Que eu saiba ainda tenho neurónio e vontade para poder escolher e/ou responder, se não quero, não quero, o que é que me vão fazer obrigar é?
Não quero aceitar, não aceito, agora não me venham com a moral, que isso já é problema meu... querem ver que eu agora sou obrigada a aceitar quem não quero e nem sequer conheço, era só o que me havia de faltar. 

10 de julho de 2018

Hoje acaba a experiência do verniz gel...

Pois é muito bonito e tal, mas hoje de tarde antes de ir para o tratamento vou retirar.
Estou à espera de ser chamada para ser operada e como se sabe não convêm levar nada destas coisas de mulheres para o bloco.
Logo resta-me ir retirar o verniz gel e colocar uma manicure normal e esperar que o doutor venha de férias, segundo consta esta quase e que se decida a chamar-me.
Verdade seja dita não tenho pressa nenhuma, nenhuma mesmo.
Se ele quiser ir de férias outra vez, ou até mesmo esquecer-se de mim durante mais uns tempo que esteja à vontade.
Não me adianta querer fugir "à coisa" mas pronto.

9 de julho de 2018

Sobre o dia de ontem...

Ontem tive uma festa de anos.
Bem se existe coisa que eu não percebo é que quando a gente faz uma festa de anos em casa, gasta um dinheirão, pois temos sempre presente em mente o que fulano gosta ou não e o que damos ao almoço não damos ao jantar.
Já por si só o local da festa é uma tristeza.
Com este calor foram para um parque aqui numa freguesia vizinha, com erva enorme e mosquitos e seus familiares por todos os lados.
De comida havia tripas, feijão fradinho com atum e salada de grão-de-bico com bacalhau, tudo coisas que eu não posso comer, mas isso não interessa nada azar o meu também tinha uns rissóis que desapareceram logo bem como mais uns quantos fritos.
Grelharam umas tiras de entrecosto e uma carne não sei de que mas para ser sincera quando vi onde ia ser grelhada decidi logo que nem tocava na carne, o meu sobrinho que adora carne tirou um bocadinho e só me disse "esta mais duro que um corno madrinha", ou seja, a carne ficou lá.
E foi isto a comida ao meio dia e ao jantar.
Eu além da broa e de um rissol ao almoço não comi mais nada e ao jantar nada comi.
Tirando que comi uma fatia de bolo à noite que foi quando deram.
Os quartos de banho lá do local sem água e sem nada, ninguém podia lá entrar.
Eu até gostava de saber quem foi que teve tal ideia peregrina de ir para um sitio daqueles quando têm espaço em casa, foi mesmo à cara podre não ter que ter trabalho em casa, andamos lá no meio da erva que nem vacas a pastar.
Levei uma cadeira confortável para a minha mãe estar lá alapada o dia todo e mal acabamos de comer vim para casa com o meu irmão e depois voltamos à noite.
Para festas destas em locais a meter nojo ao nojo agradeço imenso mas não me convidem, ainda se aquilo estivesse em condições agora nem quartos de banho com as mínimas condições tinham isso não é local para se estar um dia inteiro.
Menos mal que foi quem foi que fez a festa e para as minhas tias tudo o que a pessoa em questão faz esta muito bem porque se fosse eu ou outro dos meus primos era uma vergonha tal coisa.
Bem sei que isto não se diz mas choro cada cêntimo que dei para aquela prenda.
E já nem vou dizer que as pessoas que nos convidaram só conversavam e estavam de bem com os amiguinhos o resto da família que se lixe.
Sinceramente odiei profundamente o domingo já para não dizer que mal comi e o pouco que comi fez-me andar a pé toda a noite, Deus me livre se eu tivesse comido. 
Que domingo de porcaria, estava tão bem em casinha sossegada. 

5 de julho de 2018

Aquela pessoa que gosto de encontrar no hospital...

É sem qualquer dúvida o meu médico que me operou ao coração.
Eu até ia meia desmotivada, cheia de sono e cansada, ontem tive uma hemorragia daquelas enormes, tive quase a ter que ir à urgência, mas tenho aqui um material que ajuda a estancar a hemorragia e sempre não pus um "tafulho" como eu lhe chamo até ao neurónio como fazem no otorrino, aquilo além de ser incomodo dá assim umas dores esquisitas, menos mal, que me consegui safar de ir à urgência.
Quanto ao meu médico, regra geral vemo-nos uma vez por ano, mas hoje foi um acaso.
Um feliz acaso.
Estava eu na fila do bar quando me virou e oiço "olá menina"... este olá menina é inconfundível.
Além de o cumprimentar que eu tenho direito a dois beijinhos... perante o olhar sério dos restantes membros da fila, conversamos um pouco até chegar a nossa vez... ainda bem que a fila estava grande que assim tivemos mais tempo para conversar.
Adoro sempre ver este médico além de ser um excelente profissional, é muito preocupado e é super querido e amigo, é pouco mais velho do que eu, daí a "boa onda".
É uma riqueza fico sempre muito mais bem-disposta sempre que o vejo, valha-me ao menos ele para alegrar o meu dia. 

3 de julho de 2018

Sobre Junho...

Ainda não tinha tido oportunidade de escrever acerca do mês de Junho.
Pois bem foi mais um mês, nem bom nem mau, andou ali no meio-termo, o que é muito bom.
Tive algumas festas.
Voltei a ir renovar o meu verniz gel, dizia a A. se era desta que eu ia para os florescentes e eu tive que explicar que não me sinto muito à vontade, pois gosto de cores discretas e que não chamem muito à atenção, gosto de passar ligeirinha sem que reparem muito em mim, assim sendo optei por um "leitoso" acho que é assim que se chama mas lá tive que vir com uns micro brilhantes que quase não se notam que a A. dizia que assim ficava mais engraçado.
De resto tem sido um inferno para adormecer, não sei o que se passa.
Deus queira que seja só uma fase mas já vou para o segundo mês neste circo.
Pronto foi um bom mês assim no geral, rodando tudo basicamente sempre pelo mesmo. 
Vamos lá ver o que Julho me reserva, o mais não seja que me deixe dormir/descansar em condições que eu ando que sabe lá Deus.

2 de julho de 2018

Pensava eu...

Que o livro que estou a ler "O mundo de Sofia" fosse um bocadinho mais ligeiro e divertido, mas a verdade é que aquilo é assim para o parado e existe momentos em que quase que tenho vontade de deixar de o ler.
Acontece também que tenho aprendido algumas coisas interessantes, logo tenho feito um esforço extra para ler o livro até ao fim.
Tinham-me falado tanto dele que eu fiquei curiosa, só não me tinham contado que existem momentos em que dá vontade de o arrumar para o lado e avançar para o próximo.
Mas eu como sou teimosa como um raio, vou ler até ao fim, custe o que custar, faço sempre isso, mesmo que não goste leio até ao fim. 

1 de julho de 2018

28 de junho de 2018

Bem feita Mary que é para aprenderes...

Hoje tive que ir ao hospital com a minha mãe, aproveitei e fui procurar o meu cardiologista pois desde sexta-feira ando com umas dores esquisitas principalmente se respirar fundo ou fizer esforços.
A secretaria indicou-me onde o poderia encontrar.
Lá o encontrei disse que precisava de uma opinião expus o caso e levei como resposta "ah hoje não tenho mesmo espaço nenhum para te atender, depois vou de férias se aguentares eu volto a 16 aparece às 16 horas se vires que não aguentas passa na urgência".
Eu imagino a minha cara só disse "ok muito obrigado" e virei costas.
Pelo amor da santa não tinha 1m para me auscultar pelo menos?
Se eu fosse daquelas doentes que esta sempre la enfiada a queixar-me era como o caraças agora eu só vou as consultas se lá fui é porque não me sinto "normal", tudo bem que podia ir à urgência mas toda a gente sabe que ir à urgência além de no mínimo ter que lá estar 7 horas anda tudo cheio de vírus, logo eu que tenho as defesas mais baixas tenho que ter cuidado.
Ora vim embora, chateada comigo mesma por ter tido a triste ideia de ir ter com ele a pedir ajuda.
Sinceramente. 

27 de junho de 2018

Detesto profundamente...


Pessoas que se gabam demais.
Já o outro dizia "presunção e agua benta cada qual toma a que quer" 
E... vou ficar por aqui, acho que deu para entenderem.

26 de junho de 2018

Daquelas notícias que me deixam triste...

Uma das enfermeiras que mais me ajudou e com quem tenho uma amizade e um carinho enorme foi embora da clínica.
Não existiu nenhuma alma lá dentro que nos disse-se isso... outras porcarias sem interesse aí sim atafulham-nos os ouvidos com coisas que não interessam nem sequer ao diabo.
Ela mandou-me mensagem a perguntar se  já sabia.
Eu estou triste fiquei triste a sério, até chorei.
Ela ligou-me para me por a par do novo projeto que tem em mãos e salientou bem que a nossa amizade vai continuar.
Eu adoro esta enfermeira.
É a enfermeirinha do meu coração como eu costumo chamar-lhe.
Aqui à uns anos quando voltei à hemodialise numa noite de terror no hospital em que estava a passar um dos piores dias da minha vida, foi quando a conheci e desde aí sempre nos demos muito bem.
Vamos à massagem juntas, fomos fazer uma formação juntas, participei na organização da caminhada e das festas que fez na clínica e o principal, sempre esteve ao meu lado.
Hoje sinto-me triste depois desta notícia, embora saiba que vamos fazer de tudo para continuarmos esta amizade que nasceu por coincidência num dos piores momentos da minha vida, mas nesse momento encontrei uma profissional e amiga fantástica, como podem ver as vezes até os piores momentos nos trazem "coisas" fantásticas.

25 de junho de 2018

"A irmandade do santo sudário" de Júlia Navarro...



"O maior milagre de todos está prestes a acontecer Um incêndio na Catedral de Turim e a descoberta de um cadáver mutilado são os acontecimentos mais recentes numa série de outros, todos eles inquietantes, em torno do misterioso sudário que milhões de pessoas acreditam ter sido a mortalha de Cristo. Aqueles que ousam investigar o sucedido serão apanhados no fogo cruzado de um conflito milenar gerado por sacrifícios de sangue, assassínios e sociedades secretas ligadas aos dúbios Cavaleiros Templários. 
A Irmandade do Santo Sudário atravessa séculos e cruza continentes, desde os céus tempestuosos sobre o Calvário até às modernas cidadelas de Istambul, Nova Iorque, Londres, Paris e Roma, passando por intrigas e traições em Bizâncio e nas cruzadas, até que atinge o seu clímax nos labirintos subterrâneos de Turim, onde serão expostas verdades espantosas acerca da história de uma fé, das paixões humanas e do maior milagre de todos…"



Gostei imenso deste livro e de toda a sua história.

Estava tão bem organizado que foi fácil de entender o passado e o presente que a escritora quis nos dar a conhecer.
O mistério esteve sempre presente, permitindo-me "imaginar" várias situações e até outro final.
A verdade é que fiquei surpreendida com o final, estava à espera de outro final, não que este não tenha a sua lógica, porque tem, mas uma pessoa habitua-se aos finais "perfeitos" e isso nem sempre acontece, como foi este caso, mas isso não desvaloriza o livro/história, muito pelo contrario.
É um livro muito interessante.

23 de junho de 2018

Bom S. João...


Por estes lados festeja-se o S. João hoje e amanha... vamos esquecer que amanha é domingo e é feriado.
Eu vou para o tratamento, quando chegar dependendo de como me vou sentir vejo o que me apetece comer, se alinho numa sardinha ou se faço como de costume e fico-me só com a gelatina.
Ver o fogo só mesmo na televisão que eu já não venho com folia para me meter em confusões.
A todos um bom S. João, divirtam-se 

22 de junho de 2018

20 de junho de 2018

Quando as pessoas "desaparecem" de vez...

Ultimamente tem morrido muita gente na clínica, tudo bem que a maior parte são pessoas já com uma idade e que infelizmente eles morrem, mas vem sempre mais alguém para iniciar os tratamentos.
Mas não deixa de ser triste, olhar para trás e ver que em 8 anos que lá ando a quantidade de pessoas que já morreram.
Claro que sinto mais uns do que outros, mas mesmo assim fica sempre na memória a pessoa.
E sempre que sei que morre alguém algo em mim deixa-me mais triste, mais em baixo, pois sei que vou ter que andar na clínica até que chegue o meu dia de morrer, que não tenho outra opção no meu caso para me ver livre daquilo. 
É triste quando alguém desaparece de vez do nosso dia-a-dia.
Olho para a cadeira onde a pessoa estava e apesar de já estar ocupada por outro colega, sinto que existe ali um vazio, que falta ali alguém e que apesar de tudo até chego a ter saudades.
Este mês tem sido demais mesmo. 

19 de junho de 2018

Estou farta deste calor...

Estou a falar a sério, aliás muito a sério mesmo.
Ando a morrer em pé.
Por mim sentava-me debaixo do chuveiro e não saia mais de lá.
Vá e não vale a pena dizerem para ir para a praia ou para a piscina porque não posso por causa do cateter, por isso imaginem o que tenho passado.
Estou farta deste calor isto pelo menos aqui na minha zona esta insuportável.

17 de junho de 2018

45 anos é um belo número...


Os meus pais hoje fazem 45 anos de casados... já são uns anitos juntos bem bonito.
Fomos dar uma volta de manha, na fotografia só falta a minha cunhada que foi trabalhar... é a vida.
Uma bela manha, bem diferente do habitual. 
Que esta data se possa celebrar por muitos mais anos, todos juntos... é só o que peço e desejo.

13 de junho de 2018

Chegou a ecomenda das rosas...

Lembram-se deste post "Tem dias que eu sou crente..."
Pois então chegou a minha encomenda das rosas, ontem e há pouco acabei de as plantar.
Escusado será dizer que os meus pais gozaram comigo à grande mesmo, mas eu até gostava que saísse nem que fosse só uma flor.
Estou tão empenhada na "coisa" que até fui comprar um vaso assim mais larguinho para crescerem à vontade.
Agora vamos esperar.
Pelo preço que foi não posso exigir grandes milagres.

11 de junho de 2018

Nova série "Fauda"...



Fauda é mais uma das séries que me conquistou. É mesmo isto que eu ando a precisar de ver, além de que eu tenho um fraquinho por tudo o que tenha a ver com estes temas. Portanto, Fauda foi desenvolvida por Lior Raz e Avi Issacharoff, a partir de suas experiências pessoais vividas enquanto cumpriam o serviço militar na Unidade Duvdevan das Forças de Defesa de Israel. A história conta-nos a vida de Doron, um comandante da Unidade Mista'arvim, e sua equipe quando tentam capturar um terrorista do Hamás conhecido pelo apelido de "O Pantera".Escusado será dizer que estou viciada na série.

9 de junho de 2018

Não existe paciência...

Tem dias que não existe paciência para aturar estes dois... o meu pai e a minha mãe.
Parecem dois putos sempre em guerra, a disputar a atenção, a ver quem é que tem razão.
Lá esta que no meio desta brincadeira estou eu.
E se existe coisa que eu detesto é aquela típica frase do "quem é que tem razão?"
Já lhes disse, que não estou para aturar as birras deles, estou cansada de muita coisa e birras nem sequer merecem a minha atenção, não tenho paciência, nem vontade para isso.
Por isso que amuem, que já estou como diz o outro "incha, desincha e passa".
Eu continuo aqui sem dar razão a um lado ou ao outro.
Estou imune a estas parvoíces, imune e cansada, para ter que aturar tal coisa. 
Dass... e logo ao sábado, pelas almas, ninguém merece.

8 de junho de 2018

"O Barão" de Sveva Casati Modignani...


"Bruno Brian di Monreale, o Barão, como é conhecido, é o último descendente de uma antiga e nobre família siciliana. Bruno cresce na Califórnia, com um pai severo e distante e uma mãe dividida entre um casamento precipitado, onde não existe amor, e uma paixão deixada na sua Sicília longínqua.
No entanto, são as raízes sicilianas que levam Bruno a regressar à sua ilha natal, ao seu avô, um velho aristocrata, e a Calò, o padrinho sempre presente. Serão estas duas figuras que lhe irão transmitir o saber ancestral das velhas famílias aristocráticas, da sua ética e código de justiça.
Bruno di Monreale envolve-se nos negócios do petróleo e das grandes multinacionais, tornando-se num homem poderoso e fascinante. Os amores inconsequentes e os casos fortuitos sucedem-se na sua vida glamorosa mas dominada pela insatisfação, até que se cruza com Karin, uma mulher reservada e misteriosa. Karin revelar-se-á o desafio por que Bruno ansiava e que lhe irá trazer o equilíbrio há tanto desejado.
Em O Barão, um dos primeiros romances da autora, Sveva Casati Modignani revela-nos os meandros de uma sociedade em que os velhos paradigmas sociais entram em confronto com uma classe disposta a tudo para ascender ao poder, criando um mosaico de personagens vibrantes."


"O Barão" foi uma história muito interessante.
Apesar de andar para trás e para a frente no tempo, teve o seu sentido.
Esta muito bem desenvolvida, as personagens muito bem construídas e com momentos de tudo, desde tristeza, à gargalhada e às lágrimas.
Gostei da história do Bruno Brian e da sua família.
Já Karin provocou em mim uma certa curiosidade e desejo de ter em mim a parte determinada e lutadora dela.
Adorei todo o livro, é um bocadinho grande... como eu gosto... e lê-se bem.
Como sempre a Sveva Casati Modignani conseguiu captar a minha atenção do início ao fim.
É sempre uma surpresa boa os livros/histórias dela.
Deixa um misto de felicidade e tranquilidade... pelo menos comigo é assim.

6 de junho de 2018

E é isto...



Não ainda não pirei de vez, mas não deve de estar a faltar muito, para andar constantemente a ouvir esta música.
Cheguei mesmo a pensar que poderia ser uma espécie de recalcamento daqueles bem escondidos mas depois cheguei à conclusão de que não.
Ora agora deu-me para esta, o que fazer.
Mas aquele sorrisinho no refrão que me derrete o coração, lá isso é verdade, não o posso negar


5 de junho de 2018

Sobre o mês de Maio...

Maio até foi um mês relativamente bom.
Apesar de andar sempre a correr para trás e para a frente.
Tive festas com fartura, graças a Deus.
A cabeleireira colocou-me o cabelo mais claro, mas eu até estou a gostar, experimentei o verniz gel nos pés e nas mãos num tom nude, tipo um rosa meio lilás, pois claro e por enquanto amanha vai fazer 8 dias e esta tudo muito bonitinho ainda.
Andei a por nos pés a pensar que ia poder andar de sandálias e afinal o sol não quer nada com a gente.
De resto a nível de saúde é mais do mesmo, tratamentos, clínica e hospital, até tem corrido tudo bemzinho, não vou gabar muito se não sai asneira.
Tenho dormido mal como tudo, só tenho pesadelos, daí andar ainda mais cansada.
Decidi que tenho que me habituar a andar sempre de óculos pois está mesmo a ver-se que estou a necessitar.
Ah também cheguei a trocar de telemóvel, fui comprar o que quis, dentro do meu orçamento lá esta, que eu não sou maluquinha para esbanjar dinheiro assim à maluca por um telemóvel, já foi tempo, já. 
Comprei um Xiaomi mi A1 queria em preto mas tenho tanto azar que só tinha em dourado, menos mal que é um dourado muito leve e discreto, estou à espera da película em gel que estava esgotada na worten e da capa claro, mas entretanto já ando a ver outras capas assim mais para o "gaja" para depois ir trocando, coisas de mulher, que fazer.
Até agora estou satisfeita com a aquisição e ainda não descobri metade das funcionalidades possíveis. 
Pronto como podem ver Maio até foi um bom mês.
Vamos lá ver como corre Junho. 

4 de junho de 2018

Factos sobre o fim de semana...

Este domingo foi a festa de aniversário do meu pai.
Confusão e barulho houve com fartura, graças a Deus.
Estou cansada, esgotada até parece mal dizer isto logo numa segunda-feira mas é a realidade.
Estas coisas de chamar a família é tudo muito bonito mas é na casa dos outros.
Este pessoal esta cada vez pior, já ninguém fala, só sabem berrar e se um berra o outro berra ainda mais alto.
É cozinhar para o almoço, para o jantar, são os paizinhos que vão para casa descansar e deixam os putos aqui a darem cabo do pouco que me resta dos neurónios, tive que andar toda a tarde a fazer ameaças, se viro costas estão aos pinchos em cima do sofá, mexem em tudo, só estão bem a fazer asneiras e sem dúvida nenhuma que os mais velhos são os piores, houve um momento que lhes jurei que se não parassem que lhe arreava com a vassoura.
Eu não tenho filhos e tenho que andar a aturar os filhos dos outros.
E as respostas que eles dão?
A miúda filha da encrenca que esta casada com o meu primo é uma tata de primeira a falar mas para responder e dizer palavrões isso ela já fala bem, ontem tive uma vontade de lhe atestar dois estalos, mas infelizmente eu só ameaço nunca bati em ninguém.
Eu já disse à minha mãe que não estou para estar a aturar este tipo de coisas, era só o que me havia de faltar, já não bastava o trabalho de cozinhar e arrumar ainda tenho que fazer de ama.
Estou pela ponta do cabelo de cansaço.
Não me falem em crianças pelas almas, muito menos estes que um dia eu vou passar-me a sério com eles, que pariu lá a cambada dos índios/as. 
Diz o meu pai "menos mal que a próxima festa é só para o ano novo" e digo eu "só se for para ti, para o ano novo vou imigrar uns dias, não estou para aturar isto dois dias" e ele começou a rir-se.
Mas que dá vontade dá.

2 de junho de 2018

A minha mãe é pior que a tua #6...

Ontem o meu pai fez anos.
Embora a festa só seja amanha, nós cá de casa celebramos.
O meu irmão trouxe um bolo e eu preparei o jantar.
Agora tomem nota da conversa.

Irmão: Quem foi a idiota que pôs esta caixa assim?
Eu: Eu não fui.
Mãe: Eu também não.
Pai: Ah fui eu.
Eu: Afinal não foi a idiota mas sim o idiota.
Mãe: Não é assim que se diz diz-se o idioto.
Eu: Ah? Não, estas enganadas só mudam o A e o O para saberes se é feminino ou masculino.
Irmão: Ah ah ah idioto onde é que foste buscar essa palavra mãe?
Mãe: Olhem que eu acho que é idioto.

Enfim, nem estive para me chatear, se ela quer que seja idioto que assim seja, cada idiota com a sua ideia, é melhor assim

1 de junho de 2018

26 de maio de 2018

Eu sou a favor do direito a morrer com dignidade...



Concordo com tudo o que diz este vídeo.
Este tema daria pano para mangas como se costuma dizer, sendo eu doente com uma doença crónica.
Só quem sofre sabe o que custa, o que se passa.
Não é admissível que uma carga de marmanjos sentados no parlamento decidam que eu não tenho o direito a decidir o fim da minha vida.
É assim tão complicado?
Existe uma forma fácil de resolver o problema, vamos a referendo, vamos a votos sobre o tema, além de mais justo é o mais correto.
Eu posso escolher o fim da minha vida se vir que não existe opção.
Para que prolongar um sofrimento que não irá ter solução?
E porque não morrer de uma forma digna, junto daqueles que mais quero, permitindo assim que parta em paz e não ficando cá a sofrer e a fazer sofrer quem cá fica?
Por tudo isto e mais algumas coisas eu sou a favor da despenalização da morte assistida.

25 de maio de 2018

Tem dias que eu sou crente...




Sim tem dias que sou crente e hoje foi um deles.
Andava eu a ver um daqueles sites onde se manda vir coisas de fora a preços engraçados quando me deparei com as imagens de rosas de várias cores.
Nessa altura entrou a minha mãe e ficou encantada, ora por boa filha que sou... tem dias... resolvi mandar vir, bem sei que demora tempo e tal e vai na volta até não nasce nem uma rosa, mas pelo preço que foi não fico com a pena.
Assim sendo já encomendei depois de chegarem e de serem semeadas até quero ver se nasce alguma e se é assim algo tão bonito, mas primeiro é preciso que nasçam.
A ver vamos.

24 de maio de 2018

Estou que nem posso...

Parece que um camião daqueles com reboque e toda a tralha passou em cima de mim.
Tenho o nariz todo entupido, mais é impossível, pareço um peixe fora de água a respirar.
Tenho os olhos vermelhos, pareço sei lá o que.
Tudo junto, alegrias, dores de cabeça e tratamentos resulta neste estado em que me encontro que mais parece uma morta viva que anda em pé.
Vejamos a parte boa veio a chuva a ver se alivia este pó.

23 de maio de 2018

Quando tens noção de que fizeste merd@...

Pois claro para não me chatear mandei vir uma bateria e uma película nova.
Tinha dinheiro num cartão Fnac que me tinham oferecido no natal e resolvi investir nisso
Estava eu muito contente ontem que a encomenda chegou, coloquei tudo direito, acordei as 5 da manha e quando dou por ela o telemóvel nem sequer tinha carregado metade.
Escusado será dizer que fiquei logo com uma azia desgraçada de madrugada e já não consegui dormir mais.
Resumindo andei a gastar o dinheiro para nada.
Além de chateada comigo mesma, estou irritada.
Mas quem me manda a mim ser tão burra e tão besta, tinha comprado um telemóvel novo e acabava o stress, agora gastei dinheiro sem necessidade e fico com o telemóvel exatamente na merda@ em que estava.
Enfim.

22 de maio de 2018

Parabéns para a minha mãe...


Que apesar de existirem dias em que me dá cabo do neurónio é tudo para mim...
Que vivas muitos mais anos sempre ao meu lado.

Parabéns mamasita
sim é assim que eu a chamo ;) 

18 de maio de 2018

"A arte subtil de saber dizer que se foda" de Mark Manson...


"Uma abordagem que nos desafia os instintos e nos força a questionar tudo o que sabemos sobre a vida
Durante décadas convenceram-nos de que o pensamento positivo era a chave para uma vida rica e feliz. Mas esses dias chegaram ao fim. Que se f*da o pensamento positivo! Mark Manson acredita que a sociedade está contaminada por grandes doses de treta e de expectativas ilusórias em relação a nós próprios e ao mundo.
Recorrendo a um estilo brutalmente honesto, Manson mostra-nos que o caminho para melhorar a nossa vida requer aprender a lidar com a adversidade. Aconselha-nos a conhecer os nossos limites e a aceitá-los, pois no momento em que reconhecemos os nossos receios, falhas e incertezas, podemos começar a enfrentar as verdades dolorosas e a focar-nos no que realmente importa.
Recheado de humor e experiências de vida, A Arte Subtil De Saber Dizer Que Se F*da é o soco no estômago que as novas gerações precisam para não se perderem num mundo cada vez mais fútil."


Digamos que eu andava mesmo a precisar de ler um livro destes, a ver se o meu neurónio atina de uma vez por todas.
Ao contrário do que estava à espera gostei imenso do livro, é certo que li bem devagar de forma a poder assimilar absorver toda a informação que nele vem.
Confesso que Mark Manson, conseguiu surpreender-me, por ter tido a capacidade de me "prender" na leitura.
Além de me "prender" fez encontrar algumas respostas a várias questões que eu tinha e que nunca tinha colocado a ninguém.
Foi um excelente momento de reflexão.
Ajudou-me imenso a saber separar melhor os pensamentos e sentimentos e de uma certa maneira a entender melhor o que é mais necessário/importante na vida, é que as vezes damos valor a coisinhas sem sentido nenhum.
Neste momento até ando a praticar a arte do desapego, aquela coisa de querermos sempre mais e mais a nível material, já me deixa com o pé atrás e a pensar se preciso mesmo ou se é um mero capricho.
Gostei imenso do livro, sem dúvida nenhuma que aconselho a que o leiam.
O meu vai andar a circular na clínica pelas médicas e enfermeiras que me pediram emprestado.

17 de maio de 2018

Coisas da vida...

Nem é bom pensar neste assunto.
Tenho uma lista enorme de livros, séries e filmes para ver.
Aproveito o tempo dos meus tratamentos para tentar colocar tudo isto em dia, acontece é que as vezes sinto-me mal, enjoada, indisposta ou simplesmente já nem tenho forças para olhar se quer para o tablet e aí desisto e não faço nada... menos mal que eu sou teimosa como uma mula e a maior parte das vezes só desisto nos minutos finais.
Gosto de me mater ocupada lá... na clínica.
Não consigo imaginar-me 4 horas ali a olhar para a televisão ou simplesmente para o teto.
As vezes quando já não consigo mais fazer o que gosto e sou obrigada a parar nesses momentos só me vem tristeza, desalento e deceção à cabeça e isso não ajuda em nada.
Eu costumo pensar, "és tu que tens que vir, és tu que tens que fazer os tratamentos, é para ti isto, mais ninguém pode vir aliviar o teu fardo nem que seja só um bocadinho, por isso foca-te em qualquer coisa menos na situação em que estas metida, porque nada nem ninguém te vai tirar daqui".
Não é fácil uma vida assim principalmente com a minha idade, quando geralmente nestas idades forma-se família e essas coisas eu olho para o lado e penso "ai sou mesmo esquisita eu só quero estar sozinha, ter paz, sossego, calma e levar estes tratamentos até ao fim dos meus dias da melhor maneira possível" se é estranho este pensamento? Pode ser, mas é assim que eu penso e sou.

16 de maio de 2018

Ufff cada coisa...

Estou a precisar de um telemóvel novo.
Procuro, procuro e pouco percebo deste mundo excessivo de tecnologia no que diz respeito a telemóveis.
O S9 era lindo, impecável, mas esta completamente fora de questão devido ao valor elevado que ele custa.
Vai nas voltas aconselharam-me o Huawei P20 lite, não que seja propriamente barato, mas dizem os entendidos que a relação qualidade preço é excelente.
O problema agora é o seguinte.
O meu pai entorta o nariz, como se fosse ele que o fosse pagar e vem sempre com a teoria de que "existem telemóveis mais baratos", sim tem razão, mas como é que se explica a uma pessoa de 67 anos que não percebe puto de telemóveis que não vou, como é que eu explico mudar de cavalo para burro... acho que me conseguem entender.
Pois não explico, porque ele não entende, nem quer entende.
E eu também não entendo o porque de estar preocupada com a opinião dele para o que quer que seja uma vez que ele nem um cêntimo vai dar para a coisa.
Ai esta minha mania e estupidez de ter que ter a aprovação dos meus pais para tudo mesmo aos 33 anos é deprimente e cada vez mais insuportável. 

15 de maio de 2018

A vida é mesmo assim...

É uma sensação estranha quando de repente morrem vizinhos assim sem mais nem menos.
Primeiro o J. com 16 anos saiu de casa a correr e foi atropelado.
Depois o Sr. F  de 64 anos que tinha feito um arranhão na perna, não ligou nenhuma e assim de um dia para o outro morreu.
É estranho, é esquisito, dá uma sensação que nem sequer consigo explicar.
Aquelas pessoas que tu conheces, desaparecerem assim de repente sem mais nem menos.
Bem sei que essa é a lei da vida, mas ultimamente e vendo estes caso dá-me para pensar muito, pensar em como a vida pode acabar assim em segundos.
Eu sei que a morte é algo inevitável e natural, mas as vezes este assunto fica tempo demais nos meus neurónios e dá muitas voltas e deixa-me triste, tão triste.

12 de maio de 2018

Dia mundial do enfermeiro...


Hoje comemora-se o da mundial do enfermeiro.
Mais um ano que passa e mais um ano em que eu tenho o prazer de homenagear aqueles que cuidam tão bem de mim.
Aqueles que lutam pela dignidade da sua carreira.
Aquele que estão ali a assistir-me nos tratamentos, internamentos e em todos os momentos.
Aqueles que muitas vezes não são reconhecidos pelo papel que desempenham.
Aqueles que em muitos casos são vitimas da fúria e da falta de educação de muitos pacientes.
Aqueles que eu adoro.
Aqueles que fazem de tudo para me ajudar a ter um dia a dia melhor.
Aqueles que além de enfermeiros se tornam verdadeiros amigos.
Aqueles que já fazem parte do meu dia-a-dia que muitas vezes são bem mais do que alguns familiares.
A todos os meus enfermeiros/as que estão sempre presentes, aos que vejo de vez em quando, a todos o meu muito obrigado pelo vosso profissionalismo, amizade e carinho.
Hoje é o vosso dia, mas eu penso em vocês todos os dias, pela forma como me tratam e com a dignidade que desempenham a vossa profissão, mesmo muitas vezes não tendo as condições necessárias.
Obrigado a todos os enfermeiros/as da Caledia, do hospital de Gaia, serviço de Nefrologia, Urologia, Cirurgia Vascular e Imunohemoterapia, obrigado a todos do fundo do coração. 

11 de maio de 2018

Coisas de quem gosta de ler...

A maior parte dos livros que leio traz a cara do escritor em alguma parte do livro.
Acontece também muitas vezes eu já conhecer o escritor e o seu rosto.
O que aconteceu desta vez foi uma situação diferente.
Como podem ver ali no cantinho dos livro do momento ando a ler o livro "A arte subtil de saber dizer que se foda" que me foi oferecido por um casal amigo no meu aniversário.
Comecei a ler e tudo bem, as tantas lembrei-me de ver no livro o rosto do escritor, depois de procurar descobri que ele não vem no livro.
Lá fui eu para o Google procurar o famoso Mark Manson.
Aqui entre nós, estava à espera de encontrar alguém assim com um ar um bocadinho mais "arruaceiro" confesso e afinal de contas saiu-me alguém com um ar fofinho.
Achei engraçado, porque as tantas no livro, numa fase em que ele conta a vida dele tive curiosidade em associar um rosto aquela história.
Até aos dias de hoje nunca me tinha acontecido isso e a verdade é que achei um facto curioso.

9 de maio de 2018

"Inés da minha alma" de Isabel Allende...


"Inés Suarez é uma jovem e humilde costureira, oriunda da Extremadura, que embarca em direção ao Novo Mundo para procurar o marido, extraviado pelos seus sonhos de glória no outro lado do Atlântico. Anseia também por uma vida de aventuras, vedada às mulheres na sociedade do século XVI.

Na América, Inés não encontra o marido, mas sim uma grande paixão: Pedro de Valdivia, mestre de campo de Francisco Pizarro, ao lado de quem Inés enfrenta as incertezas da conquista e fundação do reino do Chile.
Neste romance épico, a força do amor prevalece sobre a rudeza, a violência e a crueldade de um momento histórico inesquecível. Pela mão de Isabel Allende, confirma-se que a realidade pode ser mais surpreendente que a ficção, e igualmente cativante."


Engana-se quem pensa que este livro tem alguma coisa a ver com a história de Inês de Castro e D.Pedro.
Coincidência, ou não, as personagens principais são uma Inés Suárez e um Pedro de Valdivia.
Mas esta história leva-nos a conhecer a conquista do Chile pelos Espanhóis.
Gostei imenso do livro, tem momentos de tudo, sentimentalismo, ousadia, garra, luta, sonhos, enfim.
Pelo menos a mim deixa-me a pensar na coragem e na ousadia que algumas pessoas têm quando tentam conquistar os seus sonhos, independentemente do que tenham de passar para ultrapassar as dificuldades que vão aparecendo.
Fiquei a conhecer várias raças de índios que eu sinceramente não fazia ideia que existiam.
Enfim gostei muito da história.
Mais uma vez Isabel Allende conseguiu surpreender-me e prender-me à história do início ao fim.

8 de maio de 2018

Sábado foi assim...

Então no sábado à noite tive um jantar, assim daqueles meio para o "pindérico" em que se tem que ir bem vestidinha, afinal iam estar várias entidades da câmara de Gaia.
Eu vou todos os anos, mas este ano a festa era em grande porque era a comemoração dos 50 anos e tinha mais ou menos 450 pessoas, como podem entender foi à grande.
No meio disto tudo vivi duas situações engraçadas.
Pois e costumo ir de tacão quando vou a estes jantares, pois claro com o vestidinho fica sempre bem, acontece que  tive que ir fazer o meu tratamento de manha, ou seja, além cansada, não aguentava as dores nos pés, se houve dia em que me doíam os pés a sério foi mesmo no sábado.
Então para não dar asneira acabei por levar umas sabrinas que tenho de festa que são exatamente da cor do casaco que levava.
E eis que vem agora as situações engraçadas.
O serviço de comida é self-service.
Estava eu na fila a aguardar a minha vez e as tantas o filho aqui de uma vizinha olha para mim de cima a baixo e de baixo a cima e diz "oh M. não gostas de tacão? Ou não usas? Ia jurar que já te tinha visto de tacão".
Pensei cá para mim "olha-me este marmanjo" e respondi "gosto sim e uso, mas hoje não consegui mesmo" ao que ele responde "hmmm e porque?" coscuvilheiro pensei eu "não consegui, porque fui ao tratamento de manha, estou cansada e com dores de pés, estão aceites as justificações?" ele começou a rir-se e disse "sim, sim".
Mais à frente fui dar uma vista de olhos na mesa das sobremesas e estava lá o presidente da câmara de Gaia e o vice-presidente.
O presidente estava com o seu pratinho cheio de fruta ao pé dele estava um bolo partido aos bocados assim com um ar divinal.
Resolvi comer um bocadinho, peguei no prato tirei e diz o presidente para mim "tem bom aspeto não tem? Será que é bom?"... aquilo era bolo de chocolate, uma espécie de pudim ou mousse e depois levava uma camada de caramelo mas com um toque salgado.
Ora digo eu "espere lá que eu provo e já lhe digo se é bom".
Como já tinha um quadradinho no meu prato, tirei uma garfada meti na boca e involuntariamente saiu-me um "hmmmm é muito bom" diz o presidente para o vice "oh P. olha afinal não vou levar só fruta olha só o ar de prazer aqui da menina a provar o bolo, oh menina já agora coloque aqui um bocadinho".
Estupor do bolo estava mesmo bom, foi o único que comi, não quis mais nada, mas uma coisa é certa como ando a cortar nos açúcares quando comi aquele míni quadradinho a minha glicemia deve ter subido de tal maneira que me deu logo os calores, mas que era bom lá isso era, até o meu irmão disse "é mesmo bom".
E pronto foi um sábado diferente e divertido.

7 de maio de 2018

Minha alma sente-se insultada quando...

Um site onde eu costumo comprar livros me resolve enviar um e-mail a anunciar o livro do Tony Carreira.
Quando abri o e-mail pensei "na era só o que me faltava".
Ainda mais a quase 15€... é que nem de graça quanto mais a pagar.
Eu bem sei que o homem tem muitas fãs e muito mulherio atrás dele, mas daí a fazerem livros sobre ele, alto lá um bocadinho.
Achava muito bem que enviassem esse tipo de e-mails para os clientes que têm por hábito comprar esse tipo de livros, agora se fossem ver o histórico das minhas compras iriam compreender que não tem nada a ver comigo.
E sim eu sei que é tudo muito eletrónico, nada é personalizável e que eles têm mais do que fazer em saber o que é que eu gosto ou deixo de gostar, mas pronto apeteceu-me escrever sobre isto.
Assim sendo esta feito o desabafo... tenho dito.

6 de maio de 2018

5 de maio de 2018

A minha mãe é pior do que a tua #5...

Então as vezes a minha mãe vai comigo à farmácia e não quer sair do carro, na sexta-feira eu queria que ela ficasse no carro porque queria comprar a prenda do dia da mãe diz ela toda lampeira "também vou" e digo eu "ah não deixa-te estar que é rápido, não vale a pena vires ora eu já venho".
E lá fui eu buscar os remédios e comprar o creme de rosto...  caro como tudo mas à frente... deito as mãos ao bolso e digo "oh diabo deixei as chaves no carro não vou conseguir colocar na mala, logo ela vai ver" a doutora da farmácia começou a rir-se.
E pronto lá vim disfarçadamente a colocar a saca atrás do meu banco mas e que ela bem olhou e fez de conta que não viu, mas as tantas pega na saca dos remédios e coloca dentro da saca que esta atrás do banco e eu pensei cá para mim "que postal nem disfarça nem nada".
Ainda dizem que a minha vida é fácil, que fácil que que. 

4 de maio de 2018

Eu devo de ser bipolar...

Sim, só pode.
Não encontro outra justificação para o que acontece comigo.
Ora estou bem disposta, ora algo mexe comigo fico pior do que estragada.
Detesto os dias em que isso acontece.
É difícil de explicar, mas chego mesmo ao cumulo de ficar com uma raiva de mim mesma por me sentir assim.
Caramba como é que eu ainda deixo que pessoas e/ou situações consigam descontrolar o meu pensamento e humor.
Devia de ser impossível isso e quando eu penso que já superei essas fases, existe sempre algo ou alguém que vem provocar este destabilizar na minha pessoa.
Estou chateada.
Sinto-me irritada comigo mesma.
Assim aparentemente do nada e numa questão de horas, o que é bem pior. 
Ahhh respira fundo Mary, bem fundo. 

2 de maio de 2018

Falemos então do meu aniversário...

Bem foi um bom dia, apesar de acordar bastante cansada, pois tinha ido ao tratamento à noite.
No sábado já tinha deixado tudo organizado, mesas postas, tudo quase pronto, no domingo foi só a parte mais complicada, cozinhar, mas correu tudo bem eramos 17 pessoas ao almoço e ao jantar.
Tive algumas prendinhas, umas originais e giras e uma que é melhor nem tocar no assunto, vamos passar à frente.
Tive a minha amiga J. e o namorado comigo o dia todo... gosto tanto deles... e ao fim de almoço fomos só caminhar um bocadinho para fazer a digestão.
De resto teve cá a família e foi uma festa gira.
O bolo como já mostrei além de lindo estava delicioso.
Ontem foi dia de levar bolo para o tratamento e embora fosse completamente diferente do de casa estava uma delicia super fofinho e muito gostoso, todos gostaram incluindo enfermeiros e auxiliares. 
E pronto assim cheguei aos 33.
E para quem não sabe em tempos uma das minhas médicas disse que se eu um dia chegasse aos 33 anos seria um milagre... mal ela imagina o que eu passei depois de deixar de ser doente dela, os problemas de saúde que ainda tive que ultrapassar... mas o que interessa é que estou aqui.
Os 33 eram uma meta pessoal, sempre que estava mais mal no hospital só pensava "oh meu Deus deixa-me lá chegar aos 33 por favor" e cheguei, a partir daqui que seja o que ele quiser... como sempre foi.
Escusado será dizer que ninguém me dá a idade que tenho ainda hoje uma vizinha ficou de boca aberta quando uma pessoa amiga me perguntou como era ter 33 anos, ficou a vizinha de boca aberta e a fila toda que estava no centro de saúde e só se ouvia "ah não ela deve ter 20/21, 33 anos não tem isso não", bem pelo menos algo de bom.
E pronto foi um dia muito bom.