28 de dezembro de 2015

E esse natal?

Espero que tenha corrido bem, por aqui correu tudo bem, recebi muitas prendinhas.
Por aqui continuam as festas ontem foi dia de batizado das filhas do meu primo as gêmeas, foi uma festa muito bonita e hoje daqui a pouco seguimos para o aniversário da minha tia, como se não bastasse quarta-feira temos mais um jantar e na quinta e sexta segue-se a passagem de ano, aliada a tanta festa apanhei uma gripe desgraçada, não aguento o frio, as dores de garganta, corpo e de cabeça, enfim.

21 de dezembro de 2015

O que eu queria mesmo...

... era que não me chateassem muito.
Que deixem andar quieta e sossegadinha no meu canto.
Isto e apenas isto.
É assim tão difícil de compreender?
Caramba, é que as vezes até parece que quero muito mas não é verdade, apenas quero estar em paz e sossegadinha e a única coisa que alguns familiares meus sabem fazer é serem chatos como o raio que os parta.
Uffff, existe gente que é mesmo saturante. 

17 de dezembro de 2015

"Os médicos da morte" de Philippe Aziz...



"Quem não conhece a História está condenado a repeti-la. Setenta anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a leitura desta obra nunca foi tão fundamental. 
Os Médicos da Morte é um documento histórico consagrado aos horrores da medicina nazi perpetrados durante a Segunda Guerra Mundial. Do contexto social e ideológico que permitiu corromper em absoluto o papel do médico, aos responsáveis no terreno pelos atos mais hediondos, esta é uma obra baseada em testemunhos de sobreviventes, confissões de médicos SS e em milhares de documentos que os nazis não conseguiram destruir antes da derrota final.
Milhares de crianças, deficientes, homossexuais, ciganos, judeus e até alemães dissidentes, prisioneiros de uma ideologia que os renegava da própria condição humana, foram alvo de atrozes experiências médicas com o objetivo aniquilar as raças inferiores ou ajudar no esforço de guerra. Foi o apogeu da crueldade do Terceiro Reich, um delírio científico que choca e repugna. E que deve ser lido para nunca ser esquecido. Os médicos nazis tinham rédea solta para fazer as experiências que quisessem nos campos de concentração. Incineraram, castraram, congelaram, sufocaram homens, mulheres e crianças sem misericórdia. Retiravam órgãos e membros, transfundiam sangue de uns para outros em experiências macabras... este livro prova quão monstruoso pode ser o ser humano."


Foi um livro enorme de ler, não só pelo número de páginas mas sim por tudo o que lá é retratado.
Eu juro que tentei e tento entender estas coisas dos campos de concentração, mas a maldade e o sofrimento que lá se passou faz com que eu não encontre uma unica razão para que possa justificar qualquer um dos atos cometidos lá dentro.
Percebi perfeitamente que quando estes atos macabros foram descobertos, no que diz respeito aos estudos da medicina e de algumas doenças, houve um ligeiro avanço, graças ao sofrimento de muitas e muitas pessoas, mas interrogo-me até que ponto tudo isto possa ter valido a pena.

14 de dezembro de 2015

Em modo de desabafo...

* A minha cunhada, quando acaba de jantar quando aqui vem diz logo... isto as 20:50, por aí... "ah tenho que ir dormir porque amanha tenho que acordar cedo para ir trabalhar"... assim vai sem ajudar nada, aliás isto parece um hotel, é alapar o traseiro para comer e ir embora fica aqui a empregada a cozinhar e a arrumar tudo depois.
Mas se for para ir passear ou andar na ramboia já não tem sono nem se preocupa com o facto de ter que se levantar cedo para ir trabalhar.

* Tenho um primo que mal conheceu uma fulana foi logo viver com ela e com a filha dela, ontem diziam eles que já vão reservar a quinta para 2017 que é quando querem casar... conheceram-se em dois meses foram logo morar juntos e ainda nem tem meio ano juntos e já querem marcar a quinta para se casar... eu já vi esta história com ele e acabou bem antes de fazer um ano que começaram a andar juntos.

* Admiro a capacidade do meu tio que cada dia que passa esta mais burrinhos... sim aquele que inventa umas palavras... não sabe ter uma conversa normal porque desata logo a berrar, nunca percebe nada e passa a vida a inventar palavras novas, nem sabe o que diz ou quer dizer mas pronto enfim.

* Adoro ver e ouvir a hipocrisia que é os jantares em casa da minha tia ao domingo à noite, por acaso aquilo é um circo jeitoso, todos muito amiguinhos e depois andam a levar e a trazer e a falar mal uns dos outros e eu adoro a minha posição que é abanar a cabeça e sorrir enquanto por dentro a minha vontade era que fossem todos com o raio que os parta. 

* Aiiiiiii estou tão saturada dos domingos à noite, de tanta hipocrisia, mentiras e gente falsa, já tive e tenho muita vontade de os queimar a todos mas depois chego à conclusão de que eles vão enterrando-se aos poucos sozinhos, cabe a mim ir vendo a cena sem me chatear muito.

12 de dezembro de 2015

Mais uma série...


Tanto ouvi falar desta série que comecei a ver desde o início e a verdade é que estou um bocadito ... muito... viciada.
Estou a adorar isto, perco-me a ver e até tenho facilitado as leituras pois só estou bem a ver a série.
É viciante e enquanto eu não acabar de ver os episódios todos que estão disponíveis no netflix não á menina para ninguém.

11 de dezembro de 2015

É uma questão de azar...

Resolvi preparar o último croissant que aqui havia, misto, bem quente e tal.
Estou a colocar num prato e eis que chega o meu sobrinho e com aquele ar de guloso diz "também quero, olha madrinha come as tostinhas integrais que te fazem melhor do que isto" fiquei a olhar para ele e disse "que eu saiba entre tu e eu quem esta com peso a mais és tu e não eu, quanto muito posso dar-te metade e ficamos amigos é pegar ou largar" e pronto lá fechamos o negócio.
Andava com a sisma do croissant misto mas preparado por mim e chega-me este marmelo exatamente na hora em que ia dar uma trica, é preciso ter muito azar... muito mesmo.

10 de dezembro de 2015

Sobre as compras de natal...

Acabaram... não tenho que comprar mais nada.
Fiz um orçamento e ao fim apareceram-me mais umas quantas prendas e o orçamento foi à vida... até fico doente cada vez que me lembro do dinheirinho que gastei.
Tenho que perder a vergonha e avisar que para o ano as prendas é só para os mais novos, se não estou desgraçada com a minha vida.

8 de dezembro de 2015

1ª prenda de natal...


Já recebi a minha primeira prenda de natal e confesso que fui apanhada de surpresa, pois não estava à espera.
Um dia destes os meus pais chegaram a casa e deram-me uma saca que continha este livro e disseram "esta é uma parte da tua prenda depois vem o resto" e eu fiquei tipo "ahh".
Gostei imenso de saber que se deram ao trabalho de o ir comprar e que se preocuparam em saber qual era o livro que eu queria, só estes pormenores significam muito para mim.
Assim sendo como podem ver esta declarada aberta a época natalícia... que é coisa que não me faz morrer de amores, muito pelo contrário, faz-me sentir deprimida cada vez que olho para as prendas que tenho que comprar e para o dinheiro que gasto, mas pronto à frente.

3 de dezembro de 2015

E a eleita para 2016 é...


Uma Moleskine...

Andava para comprar uma destas, todos os santos anos dizia é este ano, mas cada vez que olhava para o preço só pensava "deve estar louca para dares tanto dinheiro" e acabava por não comprar, mas eis que este ano, recebi de prenda e como podem adivinhar fiquei toda contente e a babar, por isso daqui a uns dias começo a por lá o monte de consultas e exames que já tenho marcados para 2016.
Aiii... quem me tira a agenda tira-me tudo... (a imagem foi retirada da net)

2 de dezembro de 2015

Ai este frio...

Desde que me lembro existir, nunca tive tanto frio como ultimamente.
Em casa pareço um esquimó com tanta roupa e quando saiu mal me posso mexer com tanta roupa... não sou de usar peças muito grossas, prefiro vestir-me por camadas. 
Uma doutora disse que provavelmente eu estava com muito mais frio porque estava com as defesas baixas, seja lá o que for a verdade é que nunca senti tanto frio como tenho sentido.
Assim de repente para ser sincera só me sinto bem na cama, nem que seja estar lá apenas por estar... isso era uma das coisas que eu nunca gostei estar na cama por estar, mas agora sinceramente se eu pudesse lá estar todo o dia, bem que estava.
Será que sou eu que estou muito friorenta ou existe alguém que esta na mesma situação?