30 de novembro de 2014

"Virados do avesso" o filme...

Verdade seja dita eu não sou pessoa de ir muito ao cinema.
Este ano quando fui ver o "Mau mau Maria" e vi o trailer do filme "Virados do avesso" pensei vou querer ver... tem o Morgado e tudo, pormenores... e pronto ficou decidido desde aquele dia que mal saísse o filme no domingo a seguir iriamos ver e assim foi.
Foi muito divertido quer um quer outro, dei umas boas gargalhadas.
São filmes que demonstram que é possível fazer bons filmes em Português, bons momentos em que uma pessoa entra ri, volta a rir e esquece os momentos menos bons da vida.
Vejam vão gostar acreditem em mim ;)

27 de novembro de 2014

Novos vícios...


Como defender um assassino, já vou para o terceiro episódio e estou a adorar...


 Já vai na 3ª temporada e eu continuo fiel a cada episódio novo...



Havia quem me dissesse que era muito fixe mas eu nunca liguei grande coisa.
Os enfermeiros na clínica dizia "vê vais gostar" e pronto um dos enfermeiros trouxe o livro e eu lá me rendi, pois estou a adorar, ontem vi o primeiro episodio da série e pronto agora não quero outra coisa, bem que me tinham avisado. 

24 de novembro de 2014

Para burro, burro e meio...

No outro dia fui ao hospital, queria falar com o médico que me operou... que fique claro que ele disse que podia procurar e ligar para ele sempre que quisesse.

Estava na fila para passar pelo porteiro e duas senhoras queriam entrar e estavam com uma conversa do gênero "ah deixe-me entrar com o cartão de acompanhante que a acompanhante hoje não vem" o porteiro disse "não sei se devo fazer ou não vocês sabem que não podemos fazer isso"  mas pronto lá deu o cartão à senhora e disse "vá suba, suba".
Chegou a minha vez e eu disse.

Eu: Bom dia, posso subir para ir à cardio torácica falar com o doutor R. por favor?
Porteiro: À cardio torácica?

Eu: Sim se faz favor.
Porteiro: E falar com o médico?

Eu: Sim.
Porteiro: E qual é o assunto?

Eu: Desculpe?
Porteiro: Qual é o assunto que quer ir falar com o médico.


Eu: já estava prestes a passar-me da cabeça... o assunto que eu tenho a tratar com o doutor não lhe deve interessar minimamente.
Porteiro: Ai mas eu tenho que saber qual é o assunto não é?

Eu: Claro... claro  que não, o senhor quer deixar-me entrar ótimo agradeço a gentiliza se por ventura não me quiser deixar entrar agradeço que ligue lá para cima e pergunte ao senhor doutor R. se eu posso subir.
Porteiro: Mas... não sei... ah homem mais indeciso. 
Eu: Não sabe? Hmmm, se calhar era melhor deixar-me entrar, porque é ir e vir, não vou ver ninguém nem substituir nenhum acompanhante... (eles não podem deixar entrar outra pessoa que não esteja registada como acompanhante).
Sagradas palavras ele ficou todo encaralhado e lá disse "suba suba menina, quer que lhe chame o elevador?"  e eu com o meu maior sorriso disse "não obrigado eu vou mesmo a pé, obrigado pela sua simpatia" e lá subi e fiz o que tinha a fazer quando vim embora desci e diz ele "então consegui falar com o senhor doutor" e eu respondi "sim, muito obrigado pela sua simpatia" ao que ele todo embaraçado me respondeu "volte quando quiser menina".

Foi um "hmmm" e um sorriso fecharam a minha saída.
Já dizia um meu ex patrão, para burro, burro e meio.   

23 de novembro de 2014

"A árvore da noite" de Truman Capote...


"Livros do Brasil, revelaram ao público português este jovem escritor norte-americano, precisamente com o seu primeiro romance que, em 1948, o colocou, aos vinte e três anos, na primeira fila dos escritores do seu país: Other voices, other rooms, publicado com o título Outras terras, outras gentes. Todas as qualidades e a originalidade profunda deste homem de quem um critico disse que "à semelhança de William Faulkner, possui o dom de pintar com palavras um mundo", e que fizeram o êxito do seu primeiro livro, tão estranho e tão belo, se encontram refinadas nos contos admiráveis reunidos neste volume: a capacidade de criar e descrever situações misteriosas, momentos angustiantes, emoções subtis, numa linguagem esplêndida do colorido e sensualidade.
Os contos de A árvore da noite são do melhor que tem sido escrito nesse tão difícil gênero, e classificam definitivamente o jovem escritor nascido em Nova Orleans como uma personalidade notabilíssima, perturbante, excecional."

Este livro não é apenas uma história, são várias histórias, ou melhor, bocados de várias histórias, tem uma ou outra com a sua piada, por exemplo "O homem que comprava sonhos", "Singularidades de Miss Bobbit" foram as que eu mais gostei.
É um livro que se lê bem, confesso que esperava muito mais, uma vez que é do Truman Capote... mas pronto não se pode ter tudo na vida, era ótimo que todos os livros nos conseguissem surpreender mas as vezes isso não acontece. 

20 de novembro de 2014

Deve ser do tempo...


... que ando com falta de tema e apetite para vir aqui escrever.

18 de novembro de 2014

"A chave de Salomão" de José Rodrigues dos Santos...


"O corpo de Frank Bellamy, o director de Tecnologia da CIA, é descoberto no CERN, em Genebra, na altura em que os cientistas procuram o bosão de Higgs, também conhecido por Partícula de Deus. Entre os dedos da vítima é encontrada uma mensagem incriminatória. 
The Key: Tomás Noronha
A mensagem torna Tomás Noronha o principal suspeito do homicídio. Depressa o historiador português se vê na mira da CIA, que lança assassinos no seu encalço, e percebe que, se quiser sobreviver, terá de deslindar o crime e provar a sua inocência. 
Ou morrer a tentar. 
Começa assim uma busca que o conduzirá às mais surpreendentes descobertas científicas alguma vez feitas. 
Será que a alma existe?
O que acontece quando morremos?
O que é a realidade?
Com esta empolgante aventura que arrasta o leitor para o perturbador mundo da consciência e da natureza mais profunda do real, José Rodrigues dos Santos volta a afirmar-se como o grande mestre do mistério. Apesar de ser uma obra de ficção, A Chave de Salomão usa informação científica genuína para desvendar as espantosas ligações entre a mente, a matéria e o enigma da existência."


Depois de muitos mega electrões, giga electrões, protões, partículas e quântico acabei de ler este livro, gostei mas... para mim que sou um 0 a física tornou-se um pouco mais difícil de ler, foram várias as vezes em que tive que voltar a reler para apanhar o fio à meada.
Gostei da história em si, se bem que este "Tomás Noronha" é inteligente demais para ser minimamente verdade, o raio do homem sabe de tudo e de mais alguma coisa... um exagero, portanto, porque eu acredito que existem pessoas super inteligentes mas este é um bocadinho exagerado.
É um pouco difícil de se ler mas vale a pena, apesar de não ter sido nada por aí além, ficou um bocadinho abaixo das minhas expectativas, sinceramente, mas foi muito bom. 

16 de novembro de 2014

Conversa de tolos só pode...

Estes dias estava na clínica e o senhor lá começou a falar com nós... aquele que eu referi num post anterior que diz que os tratamentos são uma palhaçada, só não percebo que ainda lá anda a fazer, se é assim como ele diz.
Perante algumas conversas dele eu fico sem perceber se os meus neurônios estão a deixar de trabalhar, se o fulano nos quer fazer de estúpidos ou se simplesmente ele é mesmo a estupidez e a parvoíce em forma de pessoa.
Para quem não sabe e assim em forma de resumo, os doentes em programa de hemodialise só devem consumir a quantidade minima de líquidos, ou seja os líquidos  estão presentes em toda a alimentação, quanto menos líquidos levarmos melhor corre o tratamento

Então esse senhor disse esta semana:


Sr: Ah tive que ir fazer um exame e mandaram-me beber 1 litro de água, mas eu disse que não podia beber água, então trouxeram chá em vez da água.

Escusado será dizer que eu fiquei muito séria a olhar para o homem.
Brincamos quereis ver o chá é feito de que carago? 
Pelo menos eu tenho o hábito de beber chá feito com água alguém que me elucide e me informe se existe outra maneira de faz chá.
E que eu saiba a água, o café o chocolate, os pingos, sumos, chás, licores, vinhos, etc, etc é tudo líquidos na mesma, para quem tiver esse problema de saúde, qualquer que seja o liquido um simples café conta tudo.

13 de novembro de 2014

Digamos que é falta de vocação...

Se existe coisa que me chateia e chega mesmo a irritar é as pessoas andarem aos berros ou de trombas sem ninguém lhes ter feito mal nenhum.
Não gosto, que posso eu fazer.
E se existe família rica em trombas é a minha família mesmo... tios, primos e essas coisas... eu até ando sempre a dizer que andam a fazer publicidade ao jumbo tamanha é a tromba.
Outra coisa que eu detesto é que berrem aquela espécie de "estou aqui, não me vêm, mas eu estou aqui" e toca a berrar como se os pulmões fossem sair boca fora, parece uma espécie de necessidade de chamar a atenção. 
Quanto mais berram para mim menos ouço, fico tipo com um bloqueio nos neurônios e só tenho vontade de lhes ir apertar o pescoço de forma a nem poderem soltar um único "ai", muitas vezes chego mesmo a suplicar por intervenção divina e penso "vá lá Deus tira-lhe os pio nem que seja só dois minutinhos".
Família a gente não escolhe tem... por isso mais vale a gente respirar fundo e até fazer de conta que não se esta a passar aquela cena deprimente.

11 de novembro de 2014

Livro a ler # 64...


"1938. A Nova Zelândia é um país belo e tranquilo. Um paraíso de onde Mariette, filha de Belle e de Étienne, só pensa em fugir. Cansada da tacanhez da pequena cidade onde vive, ela está disposta a embarcar para a Europa mesmo sabendo que essa viagem poderá ser-lhe fatal. O mundo prepara-se para a guerra, mas, para a irreverente Mariette, ficar é uma alternativa bem pior.
Chegada a Londres, a jovem depressa se deixa encantar pelas suas tentações e esquece o breve vislumbre que teve do amor. Londres é tudo aquilo com que sempre sonhou. Mas a noite do seu vigésimo-primeiro aniversário vai mudar tudo. Os violentos bombardeamentos nazis transformam a cidade mais vibrante da Europa num pesadelo de terror, devastação e morte. Pela primeira vez, ela sente o peso esmagador da solidão. É dos escombros da guerra, porém, que emergirá uma nova Mariette. A adolescente egoísta dá lugar a uma mulher forte, madura e abnegada que está disposta a tudo - até a morrer - para ajudar os mais desprotegidos. E é no seu momento mais vulnerável que o amor lhe bate à porta. Um amor tão inquieto e desesperado quanto o mundo que a rodeia."

Para meu grande espanto Lesley Pearse resolve continuar a história de Belle, desta vez pelo que me apercebi vai falar sobre a filha dela com o Étienne.
Não estava à espera de um terceiro livro para esta história.
Vamos lá ver como vai ser, depois de ler dou a minha opinião, como é costume.

10 de novembro de 2014

"Mau mau maria", o filme...

Pois então ontem fui ao cinema ver este filme, para quem não sabe eu raramente vou ao cinema não me perco muito por lá.
É um filme português mas bom, muito bom, gostei imenso, é divertido e a história em si é super engraçada.

No início estava com dúvidas mas logo que começou o filme rendi-me e desfrutei imenso com uns risos e gargalhadas.
O filme foi rodado todo no Porto e estar... na minha opinião, perfeito.

Aconselho a verem é mais uma prova de que em Portugal se pode fazer bons filmes.
Muito bom mesmo.

7 de novembro de 2014

6 de novembro de 2014

"A prostituta de Deus" de Carla Van Raay...


"Aos dezoito anos, Carla van Raay entrou para um convento a fim de dedicar a sua vida a Deus. Aos trinta e quatro ganhava a vida como prostituta. Durante a sua infância, Carla van Raay viveu um trauma que a modificou para sempre. Carregada com o peso deste terrível segredo, tudo o que ela queria era sobreviver. A vida como freira prometia-lhe um refúgio do mundo exterior. Carla esperava encontrar amor e compreensão num convento. Em vez disso, viu-se inserida num complexo sistema de regras que praticamente a levaram à loucura. Finalmente, liberta dos votos, regressou ao mundo «real».
Um casamento precipitado e a consequente separação deixaram Carla com uma filha para sustentar, com pouca formação profissional, consequência dos anos que viveu como freira, virou-se para outra profissão ancestral - a prostituição. Trabalhou como acompanhante para aprender as bases do trabalho, depois aventurou-se por conta própria, estabelecendo um serviço de massagens. Assim nasceu A Prostituta de Deus. Quando o agreste lado do negócio começou a aparecer, Carla embarcou numa viagem que a levou a revelar o obscuro segredo do seu passado."

Vejamos fiquei um pouco curiosa quando vi este livro tudo por causa do titulo.
E então lá comecei a ler.
Carla Van Raay não teve uma infância muito bonita não, mas comparada com o meio da vida dela tenho a dizer que a sua infância até era boa.
A Carla era uma criança esquisita... acho que é a palavra certa... com uma enorme necessidade de estar constantemente a chamar a atenção dos outros. Quando ela decide que quer ir para o convento, confesso que até achei uma certa piada. Na verdade como já tinha referido num post atrás este livro veio espicaçar a minha ideia de freira, eu que convivi com algumas sempre pensei... pelo menos as que eu conheci eram assim... que elas era seres humanos muito simpáticas e sempre prontas a ajudar os outros, nunca me passou pela cabeça que pudessem ser tão "azedas"... algumas, é a única palavra que me vem ao pensamento para descrever o que penso... e que fizessem questão de levar uma vida tão miserável... em que só sabem rezar e pouco mais, segundo o livro... passada a fase do convento pensei que já pouca coisa me poderia "chocar" neste livro, mas enganei-me.
Aquela mudança drástica de freira para prostituta criou em mim uma espécia de "azia", como é que era possível alguém passar para os extremos assim de repente.
Depois veio o relato dos tipos de trabalho a nível de prostituição que a rapariga andou metida bem como o excesso de consultas e terapias em que saltou de um lado para o outro à procura da sua "paz interior"... esta parte achei um bocado exagerada mas pronto essa é a minha opinião, tudo se quer.
Na parte final em que ela encontrou a sua tão necessária paz interior.
O livro tem fotografias da própria escritora onde se pode constatar algumas passagens da sua vida.
As descrições sobre ela própria no livro conseguem ser bem mais encantadoras dos que as fotografias disponíveis, pelo menos para mim... foi uma espécie de desilusão.
Gostei do livro sim mas não em arrebatou como muitos outros que já li, lesse bem apesar de ser um pouco grande 525 páginas.

5 de novembro de 2014

Já hoje é quarta...



... e eu mal tenho tido tempo de passar por aqui.

Estou assim um pouco chateada, não tenho ido caminhar... logo agora que lhe estava a pegar o gosto... pois esta a chover muito e esta a ficar um frio bem forte... pelo menos aqui onde moro.
De resto nada de novo, tenho umas ideias para partilhar aqui mas vão ficar para outro post que agora esta na hora de ir visitar os vossos blogs.