26 de fevereiro de 2017

"Às 9 no meu livro" de Sofia Castro Fernandes...


"Este é um livro sobre descerrar janelas e deixar o sol entrar. É sobre esperança, resiliência e fé. Mas também sobre as muitas voltas que o mundo dá e os lugares onde nos deixa sem chão. É sobre encontrar forças todos os dias para nunca desistir de ser feliz. É sobre acreditar que para cada um de nós existe um íman de coisas boas e cheias de amor. Porque merecemos coisas boas.
É sobre pessoas, as minhas pessoas, as que são sol e as outras, as que chegam e ficam, as que passam e vão, as que sim, as que não, as que nunca. É sobre a pessoa que sou. A que persiste em ser feliz todos os dias"

Já sigo a Sofia à muito tempo no seu às 9 no meu blog.
Quando vi que ia lançar um livro fiquei super entusiasmada e quis logo comprar... coisa que eu nunca faço, quando são livro de blogs, ou de famosos que se lembraram de escrever um livro, aprendi a lição quando foi com o Daniel Oliveira, na altura não comprei mas foi oferecido e aquilo era tão, mas tão depressivo que prometi a mim mesma que só compraria livros de escritores mesmo... mas com a Sofia foi diferente, eu gosto da escrita dela, dos incentivos, das frases bonitas, da paz que me transmite.
Comprei o livro em Dezembro depois do natal.
E se foi coisa que eu estava mesmo a precisar era das palavras dela, mal saí do hospital e nos dias a seguir quando vi que estava pronta para começar a ler peguei neste livro.
Cada tema e cada palavra começaram a dar-me força, a fazer-me sorrir, a inspirar-me e a fazer-me sentir melhor.
É daqueles livros que não me quero separar, aliás esta em cima da mesinha de cabeceira.
Quando me sinto mais em baixo abro o livro numa página qualquer e leio o que lá tem, faz-me sorrir e voltar a acreditar que tudo vai melhorar.
Por isso o meu muito obrigado à Sofia, mesmo não a conhecendo pessoalmente as suas palavras tem sido uma ótima ajuda nesta fase menos boa.
Quem gostar do gênero da escrita da Sofia leiam o livro, é muito bom, pelo menos eu adorei.

25 de fevereiro de 2017

"No good deed"...



Estes dias vi este filme.
Não sabia do que se tratava mas como tinha o Idris Elba... que é um ator que eu gosto bastante... decidi ver. 
Pois bem, estou mais habituada a ver o homem a fazer de bonzinho, mas desta vez ele desempenhou o papel da real besta como eu costumo dizer.
Vou confessar que até eu no início estava a acreditar que ele tinha mudado, mas pronto.
Não vou contar o filme, apenas vos vou dizer que tem muita acção, muito suspense, é surpreendente e que a Taraji P. Henson, faz um papelão. Não me lembro de ter visto algo com a participação dela, mas depois de ver este filme fiquei a adorar a mulher.
Então já sabem, quando quiserem vejam o filme que vale a pena.

24 de fevereiro de 2017

Até chorei de tanto rir...

E a verdade é que já não me lembrava da última vez que isso aconteceu.
Tem no meu turno na clínica um senhor que tem os seus quarenta e muitos anos, mas que tem aquele cérebro a ficar todo queimadinho.
Primeiro que se sente, puxa lençol, levanta lençol, puxa abraçadeira, levanta o raio da abraçadeira umas seis vezes mas sem alterar nada apena levanta e torna baixar.
O lenço de limpar o nariz serve para limpar o nariz, dobradinho para tapar os olhos e abertinho... sim com o ranho lá... serve de babete para quando vem o lanche.
E depois do lanche sacode o lenço mais uma dúzia de vezes.
Vê-se que o homem tem assim uns tiques, mas a verdade é que até enerva ele não estar quieto 1 minuto que seja, esta as 4 horas consequentemente a mexer em algo.
Também já reparamos que o neurônio dele sofre de algum tipo de confusão, porque apesar dele ainda ser novo o homem só fala em escudos e não em euros, diz que um mês tem 8 dias... a sério?... quer constantemente ver o acn... axn... ou o mot... que é o mov... e depois tapa os olhos com o lencinho, ou seja, não vê nada... e por aí fora.
Ontem estava-se a falar de carne de cavalo para trás e carne de cavalo para a frente e ele diz muito depressa "existe uma coisa que se diz que é carne mole em carne dura tanto bate até que fura" eh eh eh eh desculpem lá mas olhamos para os enfermeiros e auxiliares e desatamos todos à gargalhada, dissemos-lhe que o proverbio não é assim mas que é "água mole em pedra dura tanto bate até que fura"... mas ele continuou com o "não, não é carne mole em carne dura" mas muito convicto do que estava a dizer, o que nos fez rir ainda mais.
Depois diz um dos auxiliar que só se ria "oh M. não te rias para que eu não consigo" e eu puxei a gola do camisolão que levava e continue a rir-me eu, os enfermeiros, a minha colega do lado tapou a cara com o lençol e alguns dos meus colegas, ou seja ficamos todos na p... da cavaqueira à gargalhada e o outro continuava com o seu discurso da carne mole e da carne dura.  
Ele é cada um.

23 de fevereiro de 2017

Eu e a cozinha...

Aprendi a cozinhar desde muito nova, aliás cá em casa aprendemos a tratar de tudo da casa desde muito novos.
Se na altura reclamava, hoje compreendo perfeitamente o bem que isso nos fez... quer a mim quer ao meu irmão.
E se existe coisa que sempre gostei de fazer foi de cozinhar, embora tenha sempre colocado algumas condições.
Se sou eu que cozinho não quero ninguém à minha volta a mandar bitates, graças a deus cozinho qualquer coisa desde o tradicional aquelas receitas que as vezes vejo na net e quero experimentar, só existe uma regra nesta casa, não se pode usar natas, nem molho bechamel, coisas desse gênero que a minha mãe não gosta.
Hoje dei por mim a pensar que não cozinho à muito tempo, desde 30/12/2016 e pensei "bolas tanto tempo, tenho mesmo saudades de cozinhar", já tentei ir para a cozinhar para o fazer e fui literalmente enxotada de lá.
Desde que me operaram o braço e agora com os fio lá pendurado, sei que isso não me da grande liberdade, até para tomar banho preciso de ajuda... deprime-me um pouco estar sempre dependente de alguém.
Enquanto não posso vou vendo receitas e colecionando-as para quando puder voltar à cozinha e coloca-las em prática.... ai como eu anseio por esse dia.

22 de fevereiro de 2017

As grandes amizades também nos desiludem...

Eu que o diga.
Ultimamente tenho apanhado cada desgosto que as vezes fico a pensar se estou a ter um pesadelo.
As minhas duas amigas não tem dito nada.
A última sms que trocamos fui eu que enviei, vai na volta decidi que vou esperar só para ver quando é que elas me vão dizer qualquer coisa.
Em outro caso costumo dar uma lembrança quer no aniversário quer no natal a uma pessoa que trabalha na clínica.
Avisei a pessoa para passar no meu cacifo que tinha lá uma pequena lembrança isto na segunda, quando acabei o tratamento e fui buscar o meu casaco ao cacifo ainda lá estava, pensei "ainda não teve tempo de cá vir", vim embora ontem voltei ao cacifo e lá estava a saca, e não vou negar que fiquei triste, pedi a outra pessoa para entregar.
Amanha quando voltar ao cacifo se ainda lá estiver, trago e enfio no primeiro contentor que encontrar ou trago para casa, não sei depende do meu estado de espirito. 
E pronto, digamos que este post foi mais em modo de desabafo, de algo que não me tem saído da cabeça.
Isto parece mentira mas é verdade, com tantos problemas que tenho com que me preocupar e ando a perder tempo a pensar nestas coisas que são muito menos importantes.

21 de fevereiro de 2017

Parece que anda tudo muito nervoso...

Na clínica onde ando no meu turno, já é o segundo doente que se pega com uma das doutoras.
A doutora é um doce, muito preocupada, talvez seja esse o maior defeito dela esse e o facto dela ser muito novinha e eles tem a mania que são muito machões. 
Ela esta sempre preocupada, faz o que pode e o que não pode e depois aparecem dois cromos destes a implicar com a miúda.
Confesso que gostei da postura dela, de não se deixar intimidar, fico triste ao ver o ar dela triste depois e fico a pensar afinal de contas quem é que estudou e é médica ela ou aqueles dois nabos.
Deus do céu só à lapadinha mesmo e ainda assim não sei se a coisa ia lá.
Ontem fui ao hospital, quando lá se chega tira-se o papelinho na máquina e aguardamos pela nossa hora que esta na marcação.
Por exemplo ontem tinha marcação as 10:30 cheguei lá as 10:05 e sentei-me e aguardei eram 10:45 quando apareceu o meu numero no ecrã, entrei sentei-me na marquesa e nisto vem duas senhoras de idade que entraram pela sala dentro a dizer que estavam pessoas a chegar atrás delas e a irem à frente.
Lá teve a auxiliar que explicar que existe a marcação com hora para alguma coisa e que ninguém tem culpa que as senhoras queiram ir para lá de madrugada quando a consulta é as 11:00, lá resmungaram e saíram.
Na semana passada na quarta tive que voltar ao banco de sangue e tinha que lá estar as 8, mas eram 07:50 e já estava na fila aguardar vez uma vez que os lugares costumam encher logo e caso se faça transfusão quanto mais cedo se entrar mais cedo de sai ainda assim  no outro dia sai quase as 16:00. 
O meu pai estava comigo, pois é ele que tem servido de táxi uma vez que não posso conduzir.
Bolas eu estava tão cansada tinha ido segunda e terça para o hospital de manha cedo e tinha feito tratamento também nesses dois dias seguidos, a verdade é que mal me segurava de pé e tinha a cabeça a explodir.
Digo eu ao meu pai "tenho que me por atenta para arranjar uma cadeira" e sai do lado de uma senhora já de idade o seguinte sem ninguém lhe dirigir a palavra "ficas de pé e ficas muito bem que és muito nova" eu olhei para ela, fixei a cara, mas estava tão cansada, mas tão cansada que decidi nem abrir a boca para não me chatear, fiz de conta como se costuma dizer o que revoltou a mulher porque começou a bufar e a abanar a cabeça e a falar sozinha.
Entramos e lá fui eu para o banco de sangue e ela lá estava também, ficou muito séria a olhar quando eu me sentei num cadeirão.
As tantas perguntou a uma auxiliar se eu tinha algum problema de saúde, quereis ver que fui para lá porque sou tolinha e a senhora disse-lhe infelizmente ela tem mais problemas do que vocês os três juntos.
Quando sai peguei nas minhas coisas que estavam no cabide ao pé da tal senhora e diz ela "oh menina tudo de bom, as suas melhoras, muita forcinha" e eu olhei e disse o meu mais azedo "obrigado e igualmente" e sai porta fora.
Como podem ver parece que anda tudo com o neurônio fora do sitio,  tudo muito nervoso, tudo muito revoltado.

16 de fevereiro de 2017

Apresento o meu novo companheiro...

Pois então este é o Pico 3 V smith & nephew, já o uso desde segunda feira.
É uma verdadeira seca andar com o fio e o aparelho ao penduro todo o santo dia.
Este aparelhinho faz terapia de vácuo nas feridas abertas que não querem cicatrizar, ajudando assim a limpar e a fechar.
Vamos ver se vai dar resultado.
Espero bem que sim.
Também já me mentalizei que pode ser um processo demorado, mas se os resultados forem positivos, vale o sacrifico.
Hoje já fui ao hospital trocar o penso e volto na próxima segunda.
E pronto é isto ando 24h agarrada a esta relíquia.



15 de fevereiro de 2017

O problema deve ser a minha veia latina...

Veia ou costela, tanto faz.
Mas que eu gosto deste tipo de músicas gosto, então esta para mim é uma maravilha.
Como costume vou ouvi-la até enjoar isso é certinho.
Então vejam lá se gostam...

14 de fevereiro de 2017

"Pássaros feridos" de Colleen Mccullough...


"Um dos romances mais lidos e apreciados de todos os tempos, Pássaros Feridos é uma saga de sonhos, paixões negras e amores proibidos. Passada na Austrália, percorre três gerações de um indomável clã de rancheiros cujas vidas vão ganhando contornos numa terra dura mas de grande beleza ao mesmo tempo que vão lidando com a amargura, a fragilidade e os segredos da sua família. Uma apaixonante história de amor, um intenso épico de luta e sacrifício, uma celebração da individualidade e do espírito. É sobretudo a história de Meggie e do padre Ralph de Bricassart - e da intensa ligação de dois corações e duas almas ao longo de uma vida inteira, numa relação que ultrapassa perigosamente as fronteiras sagradas da ética e do dogma."

Ora bem, adorei esta enorme história.
Primeiro porque conta a história de várias personagens da mesma família, depois porque é contada de uma maneira simples e apaixonante.
Grande parte do livro focasse na vida de Meggie desde a sua infância até à sua velhice, passando por vários momentos uns que me fizeram sorrir, outros que me deram revolta e outros em que a admirei profundamente.
Gostei muito da relação dela com o padre Ralph se bem que...
No entanto além de adorar o livro acho que a escritora peca em excesso no que diz respeito à descrição dos animais, acho que mencionar uma vez era suficiente para o leitor, pois houve momentos em que eu só pensava "rais parta os carneiros".
Quem tiver em mente em ler este livro, leiam vão gostar. 

13 de fevereiro de 2017

Tipo de pessoas que gosto...

* Pessoas sem excesso de caca... quando vejo desculpem o termo merda a mais quase que automaticamente  nem dou atenção.
* Pessoas que sorriem... independentemente se te conhecem ou não, esse tipo de pessoa transmite logo como é que eu devo dizer uma boa onda.
* Pessoas que sabem dizer, olá, bom dia, boa tarde, boa noite, como estas, tudo bem.... esse gênero de coisas, eu tenho o habito de cumprimentar sempre, mas se à segunda vez a pessoa não me responde da próxima já não digo nada.
* Pessoas que ajudam os outros quando necessário, tipo atravessar a rua, apanhar alguma coisa do chão, coisas do gênero, agora espantem-se que apesar do meu mau feitio eu costumo fazer essas coisas, pois é.
* Pessoas que não conheces de lado nenhum e começam a conversar contigo simpaticamente... esta semana estava na fila do banco de sangue conheci uma senhora brasileira super simpática de 66 anos que falava pelos cotovelos mas que alegrou logo o meu inicio de dia pela sua simplicidade e simpatia.
* Pessoas que conseguem ser discretas quando sabem que estas com problemas e não se atiram logo à cara podre a dizer aiii como é que engordaste tão depressa? aiii estas tão branca? aiii estas tão magra? esse gênero de coisas.
* Pessoas que não te conhecem de lado nenhum e te ajudam... hoje fui por um aparelho no braço e depois estava a vestir o casaco com alguma dificuldade e uma senhora que estava a acompanhar uma doente veio ajudar-me assim sem mais nem menos, agradeci-lhe para aí um milhão de vezes e fiquei com o coração derretido pelo gesto. 

10 de fevereiro de 2017

Factos...

* A minha vida tem sido um corridinho entre o hospital, a clínica, o dentista e exames uma maravilha... ou não... e para não desanimar para a semana já tenho os dias cheios exatamente com o mesmo corridinho...
* Hoje senti uma felicidade enorme a minha enfermeirinha do coração disse que queria que eu fosse ao casamento dela... ohh Deus juro que fiquei muito feliz, só não chorei por vergonha...
* Quando virem nas notícias que doente matou médico... sou eu... um dia destes vou passar-me por completo da cabeça...
* Ontem um colega da dialise estava a falar de mim com o enfermeiro e chamava-me ele de Dona Marisol... ah ah ah ah dona??? A sério??? Eu tenho 31 aninhos rapaz... mais vale isso do que tratar mal...
* Hoje tenho uma festa de aniversário... hmmm que emoção o que vale é que é no andar de baixo...
* Mais... mais...
* Ahh vou fazer vacoterapia ao braço... ontem mostrara-me na net um vídeo do que é e cheguei a meio parei para não correr o risco de me vomitar durante o tratamento, semelhante enjoada fiquei, sei que o vídeo era em proporções enormes e o meu vai ser mais pequeno, mesmo assim não gabo a sorte...
* Terça-feira fiz a segunda transfusão de sangue do ano, desta vez foi no banco de sangue do hospital, eu adoro quem lá trabalha pois já ando la no control de sangue mas fogo no que diz respeito a transfusão elas empanturraram-me de comida por tudo o que é canto durante a transfusão eh eh eh chegou a um momento em que implorei pelas almas para não comer mais... mas infelizmente não resultou, saí de lá quase sem me mexer por ter comido tanto...
* Como entrei para a transfusão as 8h e sai as 15h diz o meu pai quando me viu "oh filha deves de estar cheiinha de fome não?" eu sei que só olhei para ele e disse "pelas almas não me fales de comida que as enfermeiras atafulharam-me de comida por todos os cantos e eu nem me posso mexer"...
* Para a próxima quarta é dia de ir novamente fazer outra transfusão, estão a ver a cena certo...
* Um dia destes falo-vos das consultas de reiki que tenho ido... espantem-se que eu também me espanto por ter começado a andar nisso... uma coisa é certa, ando bem mais calma...
* É verdade estou mesmo a ver que no casamento do meu primo o reportório musical além do nós pimba, do apita o comboio vai haver muita música tipo aquela que anda aí agora que é qualquer coisa como nos chamam loucos porque falamos sozinhos na rua nos chamam loucos.... por mais não sei o que e não sei que mais é que a noiva tem uma tara por música dos black e por  mocitos black, fico a pensar no porque de ela ter escolhido o meu primo que é bem branquito, deve ter sido o único que lhe deu trela só pode... mas à frente...
* Acho que não tenho mais nada para partilhar por hoje... pelo menos não me estou a lembrar...

6 de fevereiro de 2017

"Little sister"...




Após uns problemas com a mãe Colleen resolve sair de casa e tornar-me freira.
Passados mais ou menos 3 anos recebe um e-mail da mãe onde esta conta que o seu irmão voltou da guerra mas desfigurado.
Colleen resolve voltar a casa e recordar o tempo em que era gótica antes de se tornar oficialmente freira.
Bom isto é o que é o filme.
Agora aqui vai a minha opinião.
Mas que raio me passou pela cabeça para ver um filme destes, seca, seca, seca.
Quando vi que ele já não prestava podia ter desistido a meio, mas não eu e o meu habito estupido de continuar a ver ou ler até ao fim.
Vai daí que não gostei, nem achei ponta de lógica, quer dizer entendi o filme, mas foi uma ideia deprimente quem fez este filme.
Enfim...

2 de fevereiro de 2017

Olá Fevereiro...


Olá e sê bem vindo...
Não querendo ser chata, faz-me o favor e sê simpático comigo...
Dá-me força e vitalidade... estou a precisar tanto.
Alivia um bocadinho o carrego que tem sido os meus dias...
Oferece-me sorrisos, gargalhadas e bons momentos...
Ajuda-me a voltar a ser a Mary que era...
O mais importante de tudo não me tragas mais problemas, principalmente de saúde... para por favor...
Bem acho que já te fiz pedidos que chegue Fevereiro...
Sê bom comigo... por favor.

1 de fevereiro de 2017

Adeus Janeiro...

Nem sei o que te diga.
Foste mau, tão mau.
Começamos logo com ida para o hospital com direito a ambulância e a carro de urgência do Inem, foi tudo tão rápido que quase me quebra o pensamento cada vez que penso no que aconteceu.
A verdade é que tinha esperança que Janeiro me ajudasse a recuperar um pouco mais, mas infelizmente isso só piorou.
Continuo com o cateter na perna, já fui arranjar novamente a fístula, mal tenho forças para me segurar em pé, resumindo só me apetece estar deitada... que coisa mais deprimente e eu que nunca fui assim.
Os tratamentos cada vez são mais difíceis e saturantes.
A verdade é que eu já não sei onde posso ir buscar mais forças e paciência para seguir em frente, não sei não sinceramente.
Bem tento respirar fundo muitas vezes a ver se me alivia a dor e o desespero mas não esta fácil.
Sim eu acredito naquela máxima de que seja o que Deus quiser.
Por isso Janeiro tens me causado muita dor, muito sofrimento e cansado, vai à tua vida, mas vai para longe, bem longe de preferência e manda o Fevereiro mais simpático do que tu... por favor.