2 de dezembro de 2008

Lágrimas

Cheia de penas me deito
E com mais penas me levanto
Já me ficou no meu peito
O jeito de te querer tanto

Tenho por meu desespero
Dentro de mim o castigo
Eu digo que não te quero
E de noite sonho contigo

Se considero que um dia hei-de morrer
No desespero que tenho de te não ver
Estendo o meu xaile no chão
E deixo-me adormecer

Se eu soubesse que morrendo
Tu me havias de chorar
Por uma lágrima tua
Que alegria me deixaria matar

Amália Rodrigues


Hoje sinto uma enorme tristeza, aconteceu o que eu suspeitava mas o que eu jamais queria que acontecesse.
Onde andas "tu" que me acompanhas e proteges para deixares que uma coisa destas me aconteça depois de tudo o que já se passou? :(