1 de dezembro de 2008

Tu não sabes

Tu nao sabes
Quanto tempo vais poder
Dizer: «Este sou eu»,
Gritar que o chao é teu,
Tu nao sabes,
Que o céu chama por ti,
Quando à noite te sorri,
Quando as pétalas se abrem
Só por si,
Tu nao sabes.

Tu nao sabes
Quanto tempo iras pedir
Quando o sangue te fugir,
Quando o punho se fechar
Sobre ti,
Tu nao sabes,
Que o sonho nao morreu
Quando o beijo se perdeu,
Que a manha nao acabou
Só por nós,
Tu nao sabes.

Que palavras vais usar
Quando o sono nao vier,
Quando a noite te disser:
«Vem comigo».
Que loucura iras dizer
Quando a mao que te apertar
Te pedir para ficares
Só mais um dia,
Tu nao sabes,
Tu nao sabes,
Tu nao sabes.

Tu nao sabes
Quantos rios se vao deter,
Quantos olhos vao beber
Nas palavras que colaste
Junto ao peito,
Tu nao sabes,
Que os teus dedos sao ja meus,
Que se vao fechar nos teus,
Quando os barcos se despedem
Na maré,
Tu nao sabes.

Que palavras vais usar
Quando o sono nao vier,
Quando a noite te disser:
«Vem comigo».
Que loucura iras dizer
Quando a mao que te apertar
Te pedir para ficares
Só mais um dia,
Tu nao sabes,
Tu nao sabes,
Tu nao sabes,
Tu nao sabes….

(Letra da música "Tu não sabes" de Pedro Abrunhosa)

"Guarda estes versos que escrevi chorando como um alívio da minha saudade, como um dever do meu amor; e quando houver em ti um eco de saudade, beija estes versos que escrevi chorando."

(Joaquim Maria Machado de Assis - Escritor brasileiro -1839/ 1908)