9 de maio de 2012

Livro a ler # 12...


"Tudo começa com um homem saindo de casa, armado, numa madrugada fria. Mas do que o move só saberemos quase no fim, por uma carta escrita de outro continente. Ou talvez nem aí. Parece, afinal, mais importante a história do doutor Augusto Mendes, o médico que o tratou quarenta anos antes, quando lho levaram ao consultório muito ferido. Ou do seu filho António, que fez duas comissões em África e conheceu a madrinha de guerra numa livraria. Ou mesmo do neto, Duarte, que um dia andou de bicicleta todo nu. Através de episódios aparentemente autónomos - e tendo como ponto de partida a Revolução de 1974 -, este romance constrói a história de uma família marcada pelos longos anos de ditadura, pela repressão política, pela guerra colonial. Duarte, cuja infância se desenrola já sob os auspícios de Abril, cresce envolto nessas memórias alheias - muitas vezes traumáticas, muitas vezes obscuras - que formam uma espécie de trama onde um qualquer segredo se esconde. Dotado de enorme talento, pianista precoce e prodigioso, afigura-se como o elemento capaz de suscitar todas as esperanças. Mas terá a sua arte essa capacidade redentora, ou revelar-se-á, ela própria, lugar propício a novos e inesperados conflitos?"


Ouvi falar deste livro no telejornal, foi considerado Prémio Leya 2011, é um romance de João Ricardo Pedro,  licenciado em Engenharia Electrotécnica, casado e pai de dois filhos, ouvi também que o senhor estava desempregado quando decidiu escrever o romance, pelo que parece valeu bem a pena. Pois bem este será um livro a ler sem qualquer dúvida mas vai ficar na "fila" à espera da sua vez, pois já tenho outros aqui comigo para ler. Quando o ler, faço um post a falar sobre o livro, como sempre.