10 de setembro de 2016

Hoje vou falar do menino Paulo...

Comecei a trata-lo por menino Paulo na brincadeira.
O Paulo trabalha numa padaria aqui na freguesia.
É um moço engraçado no sentido de ser todo modernaço, volta e meia faz assim uns cortes de cabelo diferentes e põem um loiro platinado, algo assim arrojado.
O engraçado é que até nem fica assim tão mal, mas gabo-lhe a coragem do loiro platinado, sem dúvidas.
Toda a gente sabe que o menino Paulo é amigo das farras, dos sunset  e essas paneleirices novas que se usa agora e também é amigo de apanhar uma farda de vez em quando.
Acho-lhe piada pela forma como fala, atenção com educação e sempre com boa disposição.
Estes dias estava na padaria e ele veio ver o que queria, pedi um café cheio.
Passados 5 minutos café nem vê-lo, nisto dirige-se à minha beira com um ar distraído e diz "desculpe lá mas o que foi que pediu que não me lembro?" eu sorri e disse "um café cheio", "ok" e sorriu e lá foi, entrou no balcão, saiu e estava a chegar novamente ao pé de mim e disse ao colega "eh pá dá-me um café cheio" e eu comecei a rir-me, achei tão engraçado aquele estado de distração dele, que até nem é assim muito normal e fiquei a pensar "deves ter tido uma grande noite".
Bebi o meu café e continuei a rir-me.
As senhoras da mesa ao lado estavam na hora da cusquice e ficaram a olhar muito sérias a olhar e a abanar a cabeça logo a mandar vir com o moço... enfim.
Muitas vezes fico a pensar, qual será a opinião que esta ou aquela pessoa têm da outra pessoa?
Fico sempre com essa dúvida no meu pensamento.