22 de outubro de 2015

Para burro, burro e meio...

No outro dia na clínica foi mais uma vez um rebuliço por causa da televisão.
Uma senhora do meu turno chega lá, manda por a televisão no canal que quer ver (filme... repetidos mas não importa, filme) e eu nem a minha boca abro porque estou ou a ler ou no tablet... pois bem para quem é que sobrou??? Exatamente para mim que não tenho nada a ver com o assunto. 
O fulano começou a mandar vir comigo como se não houvesse amanha, como se fosse eu que tivesse pedido para mudar de canal.
Fiquei lixada, não minto porque a pessoa responsável por aquele barulho todo calou-se caladinha e nem a boca abriu.... e eu posso ter muitos defeitos... muitos mesmo... mas eu sou incapaz de deixar alguém ser acusado por uma coisa que a pessoa não fez.
No dia a seguir fiz questão de explicar ao sujeito que eu NUNCA pedi para porem em nenhum canal, que para mim tanto  faz como me fez a televisão e que ele tinha sido mal educado e que eu não tolerava isso.
A  coisa ficou parece que o fulano entendeu a mensagem, mas pelo sim pelo não de forma a não existir a minima provocação e de forma a não me chatear, sempre que vai dar bola, antes 5 a 10 minutos coloco os fones mesmo que desligados que é para ninguém me chatear.
Tenho a dizer que até agora tenho tido bons resultados, não aturo tolos, paciência, já a minha avozinha dizia que para burro, burro e meio.