29 de março de 2016

"Os bebés de Auschwitz" de Wendy Holden...


"Entre as vítimas do Holocausto enviadas para Auschwitz em 1944, três mulheres levavam consigo um segredo quando passaram pelos portões do infame campo de concentração.

Priska, Rachel e Anka estavam grávidas de poucas semanas, enfrentando um destino incerto longe dos seus maridos. Sozinhas, assustadas, e após terem perdido tantos familiares às mãos dos nazis, sentiam-se determinadas em lutar pelo que lhes restava: as vidas dos seus bebés.
Estas mulheres deram à luz em circunstâncias inimagináveis, com intervalos de semanas entre si. Quando nasceram, os bebés pesavam menos de 1,5 Kg cada, e os seus pais haviam sido assassinados pelas forças alemãs, enquanto as mães se haviam transformado em «esqueletos andantes».
Os Bebés de Auschwitz segue a incrível história das mães: primeiro em Auschwitz, onde sofreram o escrutínio cruel de Josef Mengele, o médico nazi conhecido como Anjo da Morte, que selecionava as mulheres grávidas à entrada do campo, destinando-as às câmaras de gás; depois num campo de trabalho alemão onde, esfomeadas, lutaram por esconder a sua gravidez; e, por fim, durante a viagem infernal de comboio, que durou 17 dias, até ao campo de concentração de Mauthausen, onde viriam a ser libertadas pelos Aliados.
A biógrafa Wendy Holden descreve toda a história com minúcia, destacando a coragem destas mulheres e a bondade dos desconhecidos que as ajudaram a sobreviver. Os Bebés de Auschwitz é um livro comovente e uma celebração da nossa capacidade de amar, ajudar e sobreviver mesmo nos contextos mais tenebrosos."


Acabado este livre, decidi fazer uma pausa no que diz respeito a Auschwitz, pelo menos por enquanto.
Já li tanta coisa sobre este tema, mas infelizmente cada vez que leio algo sobre o assunto ainda existe mais alguma coisa que me deixa abalada.
Foi o que aconteceu com este livro.
Existem coisas que uma pessoa pensa que jamais podem acontecer na vida, que é impossível existirem seres humanos assim tão maus, mas a verdade é que existem.
E existem pessoas, o caso dos sobreviventes, que demonstram como lutaram para poderem viver sem nunca desistirem e isso é tão fascinante.
Era bem mais fácil desistir.
Bem mais fácil simplesmente morrer.
Mas não, lutaram e viveram para nos poderem contar o que sofreram e o que passaram por causa de gente mesquinha.
Leiam este livro é muito bom, mas se nunca leram nada sobre Auschwitz, leiam primeiro "A rapariga de Auschwitz" porque tem mais pormenores e é uma ótima introdução.