3 de fevereiro de 2018

A minha paciência esta pela hora da morte...

E tudo isto se deve à minha mãe.
Esta insuportável.
Esta pior do que uma criança, sempre a fazer birras e a queixar-se.
Se esta em casa, doi tudo, faz cara feia a tudo, esta constantemente "agarrada" à perna a dizer que tem dores e faz da minha pessoa e do meu pai seus empregados/escravos... e eu estou farta, fartinha mesmo.
Porque se ela estiver com as irmãs não à uma queixa, não se agarra à perna, não faz má cara, esta sempre bem disposta, entra em casa aí esta ela a armar o trinta e um, aliás eu já lhe disse "esta casa deve de ter alguma merda que tu mal entras aqui e ficas logo doente" é que enquanto anda por aí não se passa nada chega a casa, fica muito mal logo.
Diz que não dorme de noite e ressona até não poder mais.
Estes dias quando foi fazer o penso ela estava com o "ai ai" do costume e eu pus a minha mão no ombro dela e disse "calma mãe, tem calma" mandou-me um berro no meio da enfermaria que eu fiquei tão envergonhada que se tivesse um buraco tinha me enfiado lá dentro a enfermeira também lhe disse "oh d. A. então a sua filha a dar-lhe apoio, anda consigo quase no colo e você fala assim com ela, assim não pode ser, ela não merece que a trate assim".
E é isto, para os de fora é uma simpatia, para mim e para o meu pai esta sempre com sete pedras na mão.
Eu bem respiro fundo, mas a verdade é que já me anda a encher demais.
Estou com ela pela ponta dos cabelos.
E ainda por cima com os meus tratamentos e problemas e neste momento não tenho ninguém que me dê a "mão" para aliviar um bocado as coisas todas que tenho que fazer cá em casa.
Sinto-me cansada, muito cansada e triste sinceramente.