6 de maio de 2011

"Pérolas" do meu taxista... parte 2...

Eu não quero que vos passe pela cabeça sequer que sou eu que implico com o homem... na na na na nadita disso... eu até o oiço com atenção, mas não existe um único dia em que o homem não se embrulhe e se torne enredado nas suas conversas.


*Estes dias iamos a passar por uma loja que tinha toalhas de praia penduras, todas as toalhas com imagens de desenhos animados, ao que ele me diz.



Ele: Se fosse eu a vender toalhas tinha uma ideia fantástica para ganhar muito dinheiro.


Eu: Então que ideia é essa?


Ele: Fazia assim uma toalhas com gajas boas para os moços se deitarem nelas.


Eu: oh mary mary, como é que não te passou pela cabeça que o homem ia ter uma ideia dessas... ah pois é sempre uma ideia mas isso nos dias de hoje não faz grande sentido, não tem assim tanta piada.


Ele: Ah mas também mandava por gajos nas toalha para vocês mulheres.


Eu: Ah... ok... sem mais nada a acrescentar.


***Moral da história: o homem tem jeito e alma pó negócio pensa em quase, quase, quase tudo.


*Iamos a falar à cerca do jogo do Barcelona onde o homem em alto e bom som acompanhado de gestos descamba o seguinte discurso.


Ele: Em tempos joguei numa equipa não sei a onde com vário pessoal uns daqui e uns não se de onde, tinhamos uma equipa até bastante forte e bem estruturada, um fim de semana fomos jogar a Espanha, para aqueles lados nem sei para onde, e carago eles jogavam, só que eu estava sempre atento e se eles me dobravam à primeira já não dobravam à segunda, mas se dobravam à primeira e à segunda já não dobravam à terceira, porque eu corria de carago e era um jogador em campo que era um espectaculo, ao intervalo estava 3-3 só que na segunda parte o treinador não me deixou entrar e foi por eu não ter entrado que perdemos 7-3 porque eu sabia dobrar bem. Depois do jogo continuamos por lá até fizemos um piquenique por aqueles lados.


Eu: Ahhhh nimguém diria tal coisa.


***Moral da história: podemos dizer que o homem passou ao lado de uma carreira futebolística fantástica diga-se de passagem...


* Estavamos a falar de outro senhor que faz também tratamento como nós só que em outro horário, lá pó meio da conversa:


Ele: Vocês sabem que não se pode contradisser o homem ele já é velho, é teimoso também e pronto já não vale a pena.


Eu: Contrariar de certo era melhor não?


Ele: Tens a certeza que não é contradisser.


Eu: ok desiste Mary... pronto que assim seja.


***Moral da história: nem vale a pena sequer avisar o homem que ele esta a errar porque o homem não aceita que erra.




P.S: que pariu está m.... que está a dar tantos espaços sem eu querer se existir uma alminha que me ensine a resolucionar o problema a gerência agradece, porque já perdi muito tempinho a tentar arranjar isto e não consigo como tal sejam bondosos e ajudem eu sim, muito obrigado!