28 de janeiro de 2015

"A teoria de tudo"...



"Em 1963, enquanto estudante de cosmologia na conceituada Universidade de Cambridge, no Reino Unido, Stephen consegue grandes avanços e está determinado a encontrar uma ?simples, eloquente explicação? para o Universo. O seu mundo expande-se quando se apaixona por Jane Wilde, uma estudante de artes, também em Cambridge. Mas, aos 21 anos, este jovem saudável e ativo recebe um diagnóstico que vai abalar a sua vida: a degeneração dos neurónios motores vai atacar os seus membros e as suas capacidades, deixando-o com limitações de fala e movimento e terminando com a sua vida em dois anos."

Ora bem, tenho várias coisas a escrever sobre este filme.
Pela primeira vez na vida tive que parar o filme porque estava a entrar na fase de chorar baba e ranho, mas como estava no tratamento pensei que o melhor seria parar e ver o resto em casa em vez de chorar mesmo... podiam pensar que estava maluca ou que sentia alguma dor, qualquer coisa do gênero.
É um filme muito forte, pesado... como lhe queiram chamar... mas ao mesmo tempo é belo.
Não tenho grande conhecimento sobre a doença abordada durante o filme, mas fiquei com a sensação que deve ser uma prisão horrível para quem a tem e para quem tem que lidar com ela diariamente.
Adorei o filme... apesar de chorar muito, pormenores... acho que é bom que a sociedade comece a ter mais conhecimento sobre estas doenças e o quanto podem privar uma pessoa de ter uma vida normal. 
Vejam, vão gostar, acreditem.