3 de março de 2011

Eu detesto...

"... quando ficas um dia inteiro sem me dizeres nada.
Fico possuida, com um mau humor incapaz de controlar e com uma vontade de chegar ao pé de ti e te apertar o pescoço até tombares para o lado.
E o que ainda mais me irrita em ti, é quando no dia a seguir falas comigo como se fosse a coisa mais banal.
Sabes que mais?
Estou cansada deste jogo escondido em que vivemos, das tuas falsas palavras, da tua vidinha dupla que tens, de aos olhos dos outros seres uma "pessoa exemplar" e por trás seres capaz das maiores aventuras sem pensares no que tens em casa, alias era mais que previsto que alguém com o curriculo de vida que tu tens que não valia nada... mas mais uma vez deixei-me levar na tua cantiga, nos teus sorrisinhos e artimanhas estupidas.
Morro pelo proximo frente a frente que vamos ter, sim porque vamos ter, porque feliz ou infelizmente o nosso dia a dia cruza-se com uma facilidade tremenda, aí sim vais ver que eu sou forte e que tu para mim não passas de um nada, não vai haver sorriso que te valha nem palavras escolhidas a dedo para me fazeres sorrir, porque eu quando quero consigo ser bem fria e distante e é o que vou ser para ti."
Isto é o que eu tinha vontade de dizer ao P. frente a frente olhos nos olhos.
Tem dias que este gajo me irrita profundamente.