31 de maio de 2015

"O luto de Elias Gro" de João Tordo...


"Numa pequena ilha perdida no Atlântico, um homem procura a solidão e o esquecimento, mas acaba por encontrar muito mais. 
A ilha alberga criaturas singulares: um padre sonhador, de nome Elias Gro; uma menina de onze anos perita em anatomia; Alma, uma senhora com um coração maior do que a ilha; Norbert, um velho louco que tem por hábito vaguear na noite; e o fantasma de um escritor, cuja casa foi engolida pelo mar. 
O narrador, lacerado pelo passado, luta com os seus demónios no local que escolheu para se isolar: um farol abandonado, à mercê dos caprichos da natureza - e dos outros habitantes da ilha. Com o vagar com que mudam as estações, o homem vai, passo a passo, emergindo do seu esconderijo, fazendo o seu luto, e descobrindo, numa travessia de alegria e dor, a medida certa do amor. 
O luto de Elias Gro é o romance mais atmosférico e intimista de João Tordo, um mergulho na alma humana, no que ela tem de mais obscuro e luminoso."

Antes de dar a minha opinião sobre o livro tenho que dizer que foi uma enorme e agradável surpresa conhecer a escrita do João Tordo... nunca tinha ouvida falar dele, nem dos seus livro... mas que fiquei fã dele ai isso fiquei. 
Adorei o livro, a história é uma espécie de abanão, sobre vários temas do nosso dia a dia. 
Por vezes poder ser difícil compreendermos o que aconteceu e porque aconteceu e muitas vezes acabamos por permitir cair no desleixo, na tristeza, na depressão e em muitos casos o fecho pode ser trágico.
É importante salientar que nunca ninguém sabe por completo a vida dos outros, por esse mesmo motivo muitas vezes podemos ser mal interpretados, durante o nosso processo de mal estar... se assim se pode dizer.
Adorei a Cecília, por momentos fez com que voltasse à minha infância e dei por mim a sorrir e com as lágrimas nos olhos. 
No inicio fazia-me um pouco de confusão o facto da Cecilia saber o nome de todos os ossos do corpo, a quantidade e esses pormenores todos... não é todos os dias que uma criança de 10 anos sabe essas coisas... mas depois com o avançar da história descobri o porque disso acontecer... não vou escrever o porque não vá alguém querer ler o livro e se eu escrever ficam já a saber metade da história.
Pronto é isto... adorei, quem tiver tempo ou quiser passem os olhinhos que vão gostar.