7 de dezembro de 2016

Desabafo...

O que estou a sentir hoje merece ser partilhado.
Não é só um estado de “revolta” de dor, de excesso de pensar, de sofrimento e decepções acumuladas.
Hoje caiu-me a “ficha” num momento tão banal da minha vida que é vir fazer o tratamento.
Hoje consegui rever-me numa amiga e companheira de luta e foi isso que fez doer, que fez com que de dentro de mim se soltasse a dor, o acumular de tantas coisas, foi isso que fez com que desatasse num pranto. 
Hoje fiquei em frente à minha amiga, pela primeira vez vi o seu rosto sem expressão, “serena” se assim lhe posso chamar num momento que sei que é de dor e pensei “é isto que somos, seres que estão a sofrer, mas que queremos demonstrar aos outros que estamos sempre bem, que somos sempre fortes, que temos que aceitar tudo o que a vida nos dá, que temos sempre que aceitar também que existe sempre alguém pior do que nós... e isso é tão mas tão verdade que eu bem sei... mas caramba nós não somos de ferro, por mim falo, tenho as minhas fraquezas, os meus sentimentos, os meus dias bons, os mais ou menos e os maus e hoje é um dia mau.
E chorei... chorei de estar tão “entalada” com tantas coisas.
Chorei até quase não conseguir respirar.
Foi um choro de dor, sofrimento, cansaço tanto cansaço que acho que as vezes a minha vida vai explodir, que eu já não aguento mais que a única coisa que eu queria mesmo era desistir de tudo, abandonar tudo... mas não posso... gostava tanto mas não posso, porque sou extremamente cobarde e não tenho coragem para isso, até para se desistir tem que se ser forte... engraçado não é?
Enfim acho que já não tenho força, pensar, nem mais raciocínio por hoje... estou esgotada, física e psicologicamente e ainda me faltam 2h de tratamento e o que é que eu vou fazer agora? 
Vou por um sorriso no rosto, vou fazer de conta que não aconteceu nada e fazer de conta que esta tudo bem... tudo muito bem, afinal de contas é assim que devemos fazer sempre o fazer de conta que esta tudo perfeito, que apesar de tudo não se passa nada de nada e aceitar os fardos da vida, um atrás do outro sem nos lamentarmos...


Marisol Silva 05/12/2016