3 de setembro de 2014

"Jane Eyre" de Charlotte Bronte...


"Considerada uma obra-prima da literatura inglesa, Jane Eyre é um romance da escritora inglesa Charlotte Brontë, publicado no século XIX, mais precisamente em 1847. Jane Eyre é uma autobiografia ficcionada da protagonista que, depois de uma infância e adolescência desprovidas de afecto, se torna preceptora em Thornfield Hall e se apaixona pelo seu proprietário, Mr. Rochester. Plenamente correspondida nos seus sentimentos, Jane julga ter encontrado o amor por que ansiara toda a vida, mas Thornfield Hall esconde um segredo tenebroso que ameaça ensombrar a sua felicidade. Numa atmosfera misteriosa e inesquecível, acompanhamos esta heroína de espírito puro e apaixonado, que trava uma luta interior constante para se manter fiel às suas convicções e a si própria. Uma história sobre a liberdade humana, repleta de elementos dramáticos (incêndios, tempestades, tentativas de homicídio) que compõem uma atmosfera de mistério e suspense."

Este foi um daqueles livros que comprei apenas por olhar para a capa, sei lá havia ali qualquer coisa que me chamou a atenção. Comprei sem ler o resumo e sem saber mesmo do que se tratava, e vou contar-vos foi uma surpresa maravilhosa, dos livros mais fascinantes que eu li até hoje. 
Jane Eyre é uma personagem inquietante mas ao mesmo tempo surpreendente, teve uma infância digamos que um pouco infeliz, mas aproveitou a oportunidade que a vida lhe deu para lutar e se tornar alguém. Gostei em especial da descrição dos seus momentos quer de sofrimento, quer de louvor e fiquei fascinada como ela conseguiu ultrapassar pelos precalços da vida. A sua paixão por Mr. Rochester foi divertida, digamos que até achei que estava tudo a correr bem demais, mas... não vou contar o que aconteceu... resumindo, adorei o livro, o final mesmo que possa parecer sofredor por um ponto de vista lógico, mostra que existem pessoas que amam verdadeiramente e que alguma deficiência que a vida nos possa oferecer, consegue ser ultrapassada se existir amor verdadeiro... e pronto já vou parar de escrever se não daqui a nada estou a contar a história toda.
É um livro excelente, muito bom mesmo.