11 de novembro de 2012

Deus dá-me paciência, porque se me deres força eu mato o gajo...

... o cromo do meu taxista. Estou fartinha dele até à ponta dos cabelos. Sinto-me cansada de ter que aturar tanta burrice numa só pessoa, ele é calhau, calhau a sério, daqueles bem grandes e já sem qualquer oportunidade de virar pedra preciosa. Lá tenho que o aturar por causa dos tratamentos, mas tudo se quer estes dias quando eu ia a sair do tratamento... o T. geralmente vai buscar-me à noite para chegar mais depressa a casa e para não aturar o cromo do taxista... então eu sai e ficou a dona L. o senhor F. um taxista e o meu taxista ao que o meu taxista diz "ah coitado do namorado nem lhe pode dar uns amassos que ela vai toda cansada mal de segura de pé", as pessoas que estava na sala ficaram  um pouco embaraças e contaram-me, pois bem ontem quando o apanhei na sala de espera disse "oh sr. M. não tenha pena do meu namorado não me poder dar uns amassos quando saiu dos tratamentos, porque ele tem tempo que chega e sobra para me dar nos dias em que não venho" ficou a sala toda a rir e ele feito morcão a olhar para mim todo vermelho e só dizia "ah não era isso que eu queria dizer" e eu disse "pois, pois mas foi isso que disse" e pronto terminei a conversa. Deus me livre existe gente que tem uma cabecinha que não vale nada só pensa em merda... credo, Deus quando andou a distribuir a inteligência o raio do taxista devia estar a dormir só pode.