10 de abril de 2018

Tem dias que a minha vida dava uma comédia...

E ontem foi um desses dias.
Estava com uma hemorragia nasal daquelas de caixão à cova.
Mas consegui não ir ao hospital... chamem-lhe alergia ao hospital, teimosia, chamem-lhe o que quiserem.
Ora então fui fazer o tratamento e eis que nos lembramos do gelo, que geralmente ajuda nestas situações.
Uma luva, gelo, uma compressa e eu ali a passar na narina direita que era a que estava com a hemorragia.
Resultado nenhum.
Entretanto o enfermeiro lembrou-se das plaquinhas de Spon, cortou uma tira, colocou na narina, uma compressa em baixo e um pouco de fita daquela de papel para segurar.
Estive assim um tempo, tudo bem, tirei e já não sangrava.
Sim porque fui dormir sobre a ameaça de que se de manha estivesse a deitar tinha que ir à urgência.
Pois ao meio da noite limpei o nariz e tal e pronto não mexi mais.
De manha quando acordo e olho ao espelho, primeiro pensei que estava a ver mal, depois constatei que tenho o nariz do lado direito e um pouco em baixo do olho tudo muito vermelho.
Observei um tempo, a pensar o que seria aquilo até que me vem aos neurónios o gelo.
Oh diabo isto é queimado do gelo, queimado Mary.
Ouvi missa do meu pai, como se tivesse 10 anos e como se tivesse colocado o gelo directo.
Olha esta mais bonito que feio, nem sei se devo de rir ou chorar.
Estou que é um fenómeno a chover e eu com cara de quem apanhou um escaldão.
O que vale é que tenho que levar as coisas na desportiva como se diz se não estou desgraçada.