28 de novembro de 2011

Conversa do M. o taxista...

Então um destes dias á noite na volta do tratamento o tema de conversa foi... prostitutas... quatro homens no carro e eu sozinha no meio deles, cheguei à conclusão que se esqueciam que eu ia ali até eu me manifestar... blá blá blá que elas isto aquilo e mais o outro, cada um deu a sua opinião, contaram que os amigos fizeram, porque nem dos quatro nunca foram... tá bem tá, fiquei eu a pensar ainda no outro dia o sr. F. disse "ah e tal quando se está num estrangeiro e coisa e tal um homem tem que ter a sua vida" e os outros também que não me lixem que eu bem vi a cara deles de aflitos quandos se tocou no tema... vai dai o M... o taxista... diz que nunca transportou nenhuma, que teve um cliente que lhe dava o dobro do dinheiro para a ir buscar e deixar em casa do cliente e a voltar a colocar no sitio mas ele não quis, começou logo "o que é que as pessoas vão pensar?" e eu respondi "que você é taxista não? vai dai começa ele com um discurso onde diz que casal que é casal tem que andar sempre junto nem que seja para ir ao dentista, ao médico, as compras ou á missa, que assim as pessoas vêm que andam juntos e já não comentam "olha a mulher de fulano anda sozinha" e segundo ele assim não se põem a pensar e a dizer coisas, vai dai o M. diz que anda sempre com a mulher porque quer que os outros não falem mal, eu estupida e bruta como sou só eu sou perguntei "desculpe lá você parou no tempo, ficou burro de vez ou está com algum problema mental??? Desde quando é que a nossa vida particular diz respeito aos outros e desde quando o que os outros dizem de nós nos interessa para alguma coisa? A vida é sua não é de mais ninguém" dito isto ficou feito pastel a olhar para mim, com ar de burro.. só lhe faltava as orelhas... e disse "mas o que os outros pensam de mim e da minha mulher é importante tenho uma imagem a manter, sou taxista lá da freguesia, pertenço ao club das pombas, também já foi... sim ele diz eu foi em qualquer situação não usa o eu fui... na politica da freguesia, vou á missa ás vezer quando á catequese para ver se a minha mulher está lá a dar catequese, já viste tenho que ter cuidado porque sou conhecido"... nesto momento ficamos os quatro à gargalhada e ele o taxista mais uma vez com ar de burro e começamos os quatro no gozo "cuidado que ele é muito importante muito muito á uma imagem a manter"... agora digo, rais te parta M. não passas de um morcão homem, toda a gente que é da tua freguesia me diz o mesmo "se lhe pedires um favor é capaz de fazer, mas é um espalha merda de primeira, burro como um calhau, nunca sabe nada de nada mas tem a mania que sabe", pois bem tive vontade de lhe dizer que era isto que as pessoas da freguesia onde ele mora... que eu por acaso conheço lá bastante gente... e onde ele acha que tem uma imagem a manter pensam que ele é assim, mas pensei que ficar caladinha e ficar só eu a saber disso era bem mais divertido.